OE2020

PAN e Liberais criticam objetivo único do superavit, Chega antecipa "crise gravíssima"

PAN e Liberais criticam objetivo único do superavit, Chega antecipa "crise gravíssima"

O PAN alertou o Governo que o "orçamento dos portugueses não tem superavit", a Iniciativa Liberal lamentou que seja "o único objetivo" e o Chega antecipa que a direita terá de resolver uma nova "crise económica gravíssima".

Numa intervenção no final do primeiro dia do debate na generalidade do Orçamento do Estado (OE) para 2020, a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, chamou a atenção para os baixos salários e rendimentos dos portugueses. "Uma em cada cinco pessoas ganha o salário mínimo e 21,6% da população, ou seja 2,2 milhões de pessoas, está em risco de pobreza ou de exclusão social, com maior incidência nas crianças e pessoas idosas, maioritariamente mulheres", frisou.

A deputada do PAN exemplificou com o caso de uma família monoparental "em que uma mãe, que trabalha, ganha apenas o ordenado mínimo, tem a seu cargo um filho menor e que só para a renda da casa pague 300 euros".

"Parece uma realidade distante, mas infelizmente não é, basta vermos os estudos realizados, abrir o telejornal ou contactar com a população para perceber o quão distantes estamos da média europeia e que com 600 euros por mês, senhor primeiro-ministro, o orçamento dos portugueses claramente não tem um superavit", afirmou, dizendo que um orçamento de contas certas "presta contas em primeiro lugar aos seus principais credores: as pessoas".

"Quem irá ficar para trás neste seu Orçamento de Estado, consegue dizer-nos?", questionou, desafiando o Governo a ir mais longe no combate à pobreza.

Já o deputado único e líder do Chega, André Ventura, considerou que a "única novidade neste orçamento é o namoro escondido entre o BE e o Governo", antevendo que serão os deputados bloquistas "os cúmplices da aprovação do OE".

"Aqueles que aprovarem ou viabilizarem este orçamento serão cúmplices da maior ou da mais grave herança de uma crise económica gravíssima. A direita cá estará para ver e, infelizmente, cá estará para corrigir os desvarios que este Governo socialista nos tem levado a ter", afirmou.

Numa outra intervenção, João Cotrim Figueiredo, deputado único e presidente da Iniciativa Liberal, considerou que o documento não tem resposta sequer para aos principais desafios do programa eleitoral dos socialistas.

"Se o PS levasse a sério as suas prioridades devia votar contra este orçamento, que só tem um objetivo: o superavit", disse.

O deputado antecipou ainda que, na fase da discussão na especialidade, o partido irá propor "alterações profundas" em sede de IRS e IRC, a eliminação de benefícios fiscais "absolutamente injustos para os partidos" e o reforço de verbas para o Tribunal Constitucional, para que a entidade da transparência e a entidade das contas "possam funcionar".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG