O Jogo ao Vivo

greve

Passos diz que greve na TAP "põe em risco a empresa" no curto prazo

Passos diz que greve na TAP "põe em risco a empresa" no curto prazo

O primeiro-ministro defendeu, esta sexta-feira no Parlamento, que a greve de dez dias dos pilotos da TAP "põe em risco a empresa" no "curto prazo".

"É perverso que uma greve que está decretada para valer 10 dias, em nome de salvar a empresa para evitar a privatização, possa pôr em risco a própria empresa. Porque põe. E põe em risco a empresa não é no futuro de médio prazo, é no curto prazo", afirmou Pedro Passos Coelho.

No debate quinzenal no Parlamento, o chefe de Governo disse que "quem julga que impedindo a privatização da empresa está a empurrar com a barriga para resolver o assunto de outra maneira, lá mais para a frente, daqui a uns anos, está muito enganado, porque a TAP terá um problema muito sério muito rapidamente".

"E é tudo o que devo dizer em vista do objetivo que temos de concretizar em termos que seja do interesse público", acrescentou.

Segundo Passos Coelho, "a alternativa à privatização da TAP é o despedimento coletivo, a redução da sua atividade, a venda de aviões, cancelamento de rotas".

"É ter uma TAP em miniatura, que não serve o interesse do país. Não vejo como possa servir o interesse dos pilotos, não serve os interesses dos trabalhadores da TAP, não serve o interesse de Portugal", argumentou.

O primeiro-ministro falava depois de questionado pelo líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, e começou por dizer que paralisação na companhia área nacional "não se compreende".

"O Governo estabeleceu um acordo com os sindicatos da TAP e esse acordo não está a ser respeitado. Lamentamos profundamente que isso ocorra", declarou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG