O Jogo ao Vivo

25 de Abril

PCP aponta falta de "mensagem forte" e "visão parcelar" de discurso de Cavaco

PCP aponta falta de "mensagem forte" e "visão parcelar" de discurso de Cavaco

O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje, domingo, que faltou "uma mensagem forte" no discurso do Presidente da República sobre a produção nacional e os trabalhadores, afirmando que Cavaco Silva mostrou uma "visão muito parcelar" dos problemas nacionais.

As preocupações hoje, domingo, transmitidas pelo chefe de Estado na cerimónia do 36º aniversário do 25 de Abril são "comungáveis por todos", afirmou o secretário-geral comunista, para quem Cavaco Silva apresentou "uma visão muito parcelar que não responde" ao que é necessário.

"Estas palavras muito centradas neste ou naquele sector ou naquela região podem apenas servir de biombo para esconder uma realidade nacional", sublinhou.

Para Jerónimo de Sousa, "faltou uma mensagem forte na defesa do nosso aparelho produtivo, da nossa produção nacional, na valorização dos direitos de quem trabalha, nos salários, nos pequenos rendimentos e reformas, uma palavra de incentivo para que Portugal saia da crise com base numa visão integrada, nacional, e não meramente parcelar".

Sobre as críticas de Cavaco Silva aos prémios dos gestores, Jerónimo de Sousa disse subscrever esses reparos, mas estendeu-os ao sector privado e "aos lucros abissais que muitas dessas empresas continuam a ter, com discriminação do nosso aparelho produtivo".

"Infelizmente o que verificamos é uma política virada para a financeirização, para o apoio a esses grandes grupos económicos, esquecendo o resto", disse, defendendo que as "fortunas abissais" sejam "um elemento para uma outra repartição da riqueza nacional, e isso teve o silêncio do senhor Presidente da República".

Sobre o discurso do deputado do PSD Aguiar Branco – que citou figuras como Lenine ou Rosa Luxemburgo – Jerónimo de Sousa considerou que foi "um conjunto de citações com uma linha um pouco anarquista" com o objectivo de "esconder a realidade: o PSD tem dificuldade em afirmar uma política alternativa que resolva os problemas nacionais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG