Covid-19

PCP com comício a 7 de junho: "não nos peçam para nos calarmos"

PCP com comício a 7 de junho: "não nos peçam para nos calarmos"

O PCP anunciou um comício para 7 de junho e recusou que a iniciativa se trate uma provocação em tempos de pandemia. "Era o que faltava o PCP calar-se nesta altura", avisou Jerónimo de Sousa, avançando que a Festa do Avante! irá para a frente "se houver condições para o fazer".

Apesar da discussão instalada por causa da festa maior que marca a rentrée política do PCP, em setembro, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, anunciou, este domingo, a realização de um comício no dia 7 de junho, em Lisboa.

Após a reunião do Comité Central, o líder do PCP garantiu que o evento se insere num conjunto de iniciativas, de defesa dos direitos dos trabalhadores em tempos de crise pandémica, que arrancam a 21 de maio, com lema "Nem um direito a menos, confiança e luta por uma vida melhor".

Questionado se o anúncio não será interpretado como uma provocação numa altura de regras de convívio social tão restritivas, Jerónimo de Sousa falou do "direito inalienável" das atividades políticas, que neste momento alguns procuram "cercear", e lembrou que "o povo português sacudiu" com o 25 de Abril atitudes persecutórias aos partidos.

"Era o que mais faltava é que, neste momento, se procurassem cercear as liberdades democráticas, a atividade política, coisa que o povo português não aceita e sacudiu há 46 anos", explicou.

"Teremos em conta as medidas que se verificam em termos de segurança sanitária", adiantou. "Não queremos nem mais nem menos direitos que outras atividades, incluindo no plano político", acrescentou.

"Não peçam que o PCP se cale numa altura em que tanta gente sofre o drama do isolamento, da falta de rendimentos, de ver-se sem futuro", salientou, frisando que "era o que faltava o PCP calar-se nesta altura em que a Democracia continua a vigorar". "Por isso, vamos fazer o nosso comício com responsabilidade"

Quanto à Festa do Avante!, Jerónimo de Sousa lembrou que "estamos a quatro meses da realização". Mas que, ainda assim, "o Comité Central avaliou os elementos da sua preparação, designadamente das medidas de proteção sanitária".

O líder do PCP também lembrou que, "tal como em festas anteriores", a organização do Avante! no Seixal conta sempre com o acompanhamento da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Contudo, numa altura em já estão a ser vendidas EP [entradas permanentes] para o evento, Jerónimo de Sousa não esclareceu se haverá um limite de entradas por dia, tendo em que os bilhetes podem ser adquiridos para os três dias do Avante! ou apenas para um deles.

Em reação ao alerta de Marcelo Rebelo de Sousa, que este domingo na Ericeira disse que a Festa do Avante! não pode estar isenta de cumprir as mesmas regras que todos os outros grandes eventos e festivais, Jerónimo foi taxativo: "pois não, pois não, nem direitos a menos".

"O que dizemos é que faremos a festa se estiverem reunidas as condições para o fazer - disso não abdicamos. Até lá, que não nos doa a cabeça", atirou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG