Covid-19

PCP critica "generalização excessiva" dada à vacinação de políticos

PCP critica "generalização excessiva" dada à vacinação de políticos

O PCP criticou esta terça-feira a "generalização excessiva" na prioridade da vacinação contra a covid-19 dada aos políticos e insistiu que é necessário "garantir as condições para a rápida vacinação da população".

"A prioridade dada a titulares de altos responsáveis do Estado, sendo compreensível para situações concretas, tem uma generalização que se afigura excessiva", lê-se num comunicado do gabinete de imprensa dos comunistas no dia em que foi noticiado que os titulares de órgãos de soberania, órgãos das regiões autónomas e autarcas começam a ser vacinados na próxima semana.

Para os comunistas, o "essencial e prioritário" é "garantir as condições para a rápida vacinação da população, o que exige que o país não fique dependente unicamente do programa de vacinas da União Europeia e das multinacionais farmacêuticas".

O PCP concorda com as regras "definidas de acordo com as autoridades de saúde, abrange naturalmente setores com intervenção direta no combate à epidemia e grupos de risco", mas discorda da prioridade aos políticos.

De acordo com um despacho, emitido na segunda-feira pelo primeiro-ministro, noticiado esta terça-feira pelo Diário de Notícias (DN), os titulares de órgãos de soberania, deputados, funcionários da Assembleia da República, membros dos órgãos das Regiões Autónomas e presidentes de câmara, enquanto responsáveis da proteção civil, vão começar a ser vacinados na próxima semana.

Segundo a mesma notícia, também a Provedora de Justiça, os membros do Conselho de Estado e a magistratura do Ministério Público vão começar a ser vacinados na próxima semana.

PUB

O primeiro-ministro, António Costa, enviou "cartas aos órgãos de soberania para que estabeleçam as prioridades para inoculação em cada um dos serviços" e pediu uma lista de funcionários de cada órgão que "devam ser considerados prioritários nesta fase".

"De modo a que se possa programar com precisão este processo é essencial definir, entre estes titulares, a indispensável ordem de prioridade, tendo em conta a limitada quantidade de doses disponíveis em cada semana", especifica António Costa na mensagem enviada ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG