Polémica com aeroporto

Partidos falam em humilhação, luta interna do PS e que "ministro acabou"

Partidos falam em humilhação, luta interna do PS e que "ministro acabou"

Rui Rio, líder do PSD, defende que se o ministro das Infraestruturas "continua em funções o Governo está numa confusão geral". Para o PCP "pode mudar-se o ministro" mas "o que importa para o país" são as opções que vão ser tomadas. BE fala em "pântano político", Chega diz que Costa foi desautorizado e o CDS/PP considera que Pedro Nuno Santos, como ministro, "acabou". Para o PAN, Costa "travou uma má decisão". Iniciativa Liberal considera que "estamos a assistir a uma luta interna no PS".

"Este ministro já não devia ter estado no Governo, não pelo dossier do aeroporto mas pelo dossier da TAP. Acho que se continua em funções, o Governo está numa situação de confusão geral", considerou Rui Rio, líder do PSD, em declarações na Assembleia da República.

"Admitindo que o primeiro-ministro não demite o ministro, acho que o próprio presidente da República deve forçar essa demissão", acrescentou.

Rui Rio é claro: "não vejo condições para este ministro continuar no Governo", "o primeiro-ministro não tem outra solução que não seja demitir o ministro" Pedro Nuno Santos.

E salientou que o que foi anunciado na quarta-feira "não foi uma decisão do Governo, mas uma decisão unilateral de um ministro".

O líder do PSD defende ainda que "há responsabilidade" de António Costa "ao voltar a trazer o ministro Pedro Nuno Santos" ao Governo "da forma como ele se comportou no Governo anterior".

"Foi fazendo pequenas desautorizações aqui e ali ao logo do tempo" mas "desautorizar de forma tão frontal o primeiro-ministro, isso penso que ninguém adivinhava", apontou Rio.

PUB

PCP: "Mais importante do que as caras do governo são as decisões"

O PCP defende a aposta na construção do novo aeroporto em Alcochete e diz que "pode mudar-se o ministro e vir novas pessoas" mas "o que importa para o país" são as opções que vão ser tomadas.

"Mais importante do que as caras do governo são as decisões do governo", diz Paula Santos, líder parlamentar do PCP. "O aeroporto de Lisboa não tem capacidade de crescimento, está comprovado que o Montijo não é solução e o interesse nacional é construir novo aeroporto em Alcochete", defendeu, em declarações no Fórum da TSF.

Sobre o despacho do ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos, divulgado na quarta-feira, Paula Santos diz que "não faz sentido investir no Montijo e não avançar já em Alcochete."

"Entre os interesses da ANA/Vinvi e os interesses do país, o governo sobrepõe os interesses da ANA/Vinci", critica. Para o PCP, "o Governo tem de assegurar o interesse nacional e o que nos dá uma perspetiva de futuro que é construir o novo aeroporto em Alcochete."

Questionada sobre se o ministro das Infraestruturas deve demitir-se, Paula Santos defende: "pode mudar-se o ministro e vir novas pessoas, mas quais são as opções que vão ser tomadas? Isto é o que importa para o país."

BE: "É o pântano político"

Pedro Filipe Soares, do BE, considera que a polémica que envolve o novo aeroporto de Lisboa, com o despacho de Pedro Nuno Santos a ser revogado por António Costa no dia seguinte, "é o pântano político", "é um desgoverno" e "o primeiro-ministro deve explicações ao país".

"Exigimos que o primeiro-ministro fale ao país e assuma as responsabilidades sobre o desnorte no Governo", defendeu Pedro Filipe Soares, em declarações na Assembleia da República.

"Costa disse há uma semana que era o responsável pelas decisões do Governo", ora "há um caos instalado no Governo no início de uma maioria absoluta do PS".

Também o Chega, em declarações ao Fórum TSF, diz que "Pedro Nuno Santos não pode continuar no Governo". "Costa gosta muito de segurar os ministros mas não faz sentido ser desautorizado desta maneira".

Para João Cotrim Figueiredo, líder da Iniciativa Liberal, esta "não é uma questão política é uma humilhação pública do ministro". No Fórum TSF, o deputado disse que "estamos a assistir a uma luta interna no PS para a sucessão de António Costa."

O presidente do CDS/PP, Nuno Melo, não tem dúvidas de que Pedro Nuno Santos, como ministro, "acabou" ao ser desautorizado pelo primeiro-ministro António Costa no dossiê do novo aeroporto de Lisboa.

Inês Sousa Real, do PAN, fala "numa grande trapalhada" e está certa de que "António Costa travou uma má decisão" de Pedro Nuno Santos. No entanto, sublinha que muito se espantaria que o ministro tenha feito uma comunicação ao país sem ter dado cavaco ao seu Governo.

Rui Tavares, do Livre, critica a decisão de Pedro Nuno Santos para o novo aeroporto de Lisboa e entende que este processo político penaliza o Governo socialista: "É preciso que o Governo decida se quer governar ou fazer oposição a si mesmo".

Polémica com decisão revogada um dia depois

O primeiro-ministro, António Costa, ordenou a revogação do despacho publicado, quarta-feira, que previa uma solução de dois aeroportos para substituir o Humberto Delgado, em Lisboa.

O comunicado, que desautoriza o ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos, acrescenta que "compete ao primeiro-ministro garantir a unidade, credibilidade e colegialidade da ação governativa."

A decisão de avançar com obras em Lisboa, construir pista complementar no Montijo e avançar para futura infraestrutura em Alcochete vai "poupar centenas de milhões de euros por ano", justificou Pedro Nuno Santos, quarta-feira à noite, em declarações à RTP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG