Pedrógão Grande

Associação de Vítimas realça presença "constante" de Marcelo

Associação de Vítimas realça presença "constante" de Marcelo

A presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, Nádia Piazza, realçou a presença "constante" do presidente da República no território afetado pelo incêndio de junho.

"O senhor presidente da República tem sido uma presença constante, não só fisicamente, mas de alma e coração", afirmou Nádia Piazza, que falava aos jornalistas antes da missa na igreja matriz da vila de Pedrógão Grande, e na qual participou Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo Nádia Piazza, este dia era já aguardado "há muito tempo" pelos familiares das vítimas, sendo que a presença de Marcelo Rebelo de Sousa aconteceu de forma "muito natural".

Para a presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG), que perdeu um filho no incêndio, este é "um dia especial".

"É um dia muito vazio e tentamos, de alguma forma, estando juntos, não termos tantas cadeiras vazias", disse Nádia Piazza, visivelmente emocionada e de voz embargada.

Presença importante para quem precisa de afeto

"Receber o presidente da República, o chefe de Estado, em Pedrógão Grande, num dia destes, é muito importante para aqueles que necessitam de afeto e de um pouco de conforto", realçou o presidente da Câmara, Valdemar Alves.

Para o autarca, a presença de Marcelo Rebelo de Sousa neste dia na zona afetada pelo grande incêndio que deflagrou em junho "é a confirmação e consolidação de que o presidente da República está inteiramente solidário e atento a tudo o que se está aqui a passar".

Bispo de Coimbra alerta para "trevas interiores"

Na missa celebrada às 11.30 horas na igreja matriz da vila, o bispo de Coimbra, Virgílio Antunes, disse que subsistem "trevas interiores" nos sobreviventes e familiares das vítimas dos incêndios de junho e apelou à presença humana como forma de as ultrapassar.

Virgílio Antunes apontou as "trevas exteriores" - os prejuízos decorrentes dos incêndios - como "preocupantes e muito difíceis de vencer", mas avisou que as trevas interiores, decorrentes da dor dos familiares das vítimas, "são muito mais preocupantes".

"Provocam a descrença, a erosão da alma e o aniquilamento da esperança (...). O vazio interior é muito mais difícil de preencher, exige uma fortíssima presença humana", defendeu.

Naquilo que definiu como uma luta da luz contra as trevas, o bispo de Coimbra assinalou as ações de solidariedade e partilha para com as vítimas dos incêndios e os apoios públicos e privados, mas notou, nesta celebração de Natal em Pedrógão Grande, o "silêncio de homens e mulheres pela perda de alguém, a ruína de sua casa ou a escuridão do panorama envolvente".

Durante o dia, está também previsto que Marcelo Rebelo de Sousa participe num almoço com familiares das vítimas, inaugure a nova sede da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão, na antiga escola primária da aldeia da Figueira, assista a um concerto em Figueiró dos Vinhos e visite a Aldeia Natal na vila de Castanheira de Pêra, onde deverá jantar no quartel da corporação local de bombeiros.