O Jogo ao Vivo

Energias renováveis

Portugal não precisa do nuclear porque já tem uma "aposta verde"

Portugal não precisa do nuclear porque já tem uma "aposta verde"

Secretário de Estado da Energia, Carlos Zorrinho, garantiu que, com o investimento nas energias renováveis, Portugal não precisa do nuclear porque já tem uma "aposta verde".

"A aposta nas energias renováveis [eólica, hídrica e solar] é equivalente à aposta numa central nuclear", defendeu Carlos Zorrinho durante a apresentação da Estratégia Nacional para Energia até 2020.

Para o secretário de Estado, a nova estratégia de energia e as políticas energéticas são assim "fundamentais" para a recuperação económica e combate ao desemprego.

"Esta nova estratégia não é um plano teórico, é um 'roadmap' para a ação baseado em boas práticas e com o contributo de investidores e das empresas", frisou.

Segundo Carlos Zorrinho, o Governo espera que até 2020 Portugal reduza a dependência energética para 74 por cento, cumpra as metas de emissões de CO2 e reduza em 25 por cento o saldo importador energético, que representa uma redução de importações de aproximadamente 2 mil milhões de euros.

A área das renováveis, segundo Zorrinho, poderá assim em 2020 representar 1,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), quando atualmente é de 0,8 por cento.

A estratégia apresentada indica que o sector das renováveis e da eficiência energética (incluindo a aposta na rede dos carros elétricos) deverá ser capaz de criar em 10 anos novos 121 mil postos de trabalho.

Os cinco eixos fundamentais do plano são "criar uma agenda para a competitividade", "apostar nas energias renováveis", "eficiência energética", "garantir o abastecimento" energético e "sustentabilidade".

Até 2020, o Governo quer assegurar 8.600 megawatts (MW) de potência hídrica e relançar o plano de mini hídricas, enquanto no solar o objetivo é ter 1.500 MW de potência instalada, considerando que "este é um patamar mínimo".

"Se tivermos em conta que há uma aproximação aos preços médios previstos [para a instalação de cada MW desta tecnologia] podemos ir além dos 1.500 MW", disse Zorrinho.

Um dos objectivos últimos é que, em 2020, 60 por cento da energia produzida em Portugal - e 31 por cento do consumo de energia final - tenha origem em fontes de energia renovável.

Relativamente ao Eixo 3, da eficiência energética, é objetivo do Governo continuar a aposta na rede de carros elétricos e na redução do consumo dos combustíveis fosseis em 10 por cento até 2020. O Governo prevê ainda que 50 por cento dos portugueses estejam cobertos por redes inteligentes [smart-grids] até 2020, acrescentou.

Ao nível do abastecimento (Eixo 4), o plano prevê o reforço das interligações com Espanha e com o resto da Europa, uma vez espera poder vir a exportar energia para outros países.

No que diz respeito à sustentabilidade, o Governo adiantou que vai ser criado um fundo de equilíbrio tarifário para absorver o impacto de um eventual choque petrolífero.