Bulgária

Portugal sem "nenhum preconceito" quanto a alargamentos da UE, diz Marcelo

Portugal sem "nenhum preconceito" quanto a alargamentos da UE, diz Marcelo

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira que Portugal tem uma posição de princípio de "nenhum preconceito" quanto a novos alargamentos da União Europeia, com o homólogo búlgaro a considerar que este não deve um processo mecânico.

Marcelo Rebelo de Sousa e Rumen Radev falavam no final de um encontro de cerca de 45 minutos, no Palácio Presidencial, em Sófia, no arranque da visita oficial do chefe de Estado português à Bulgária que se prolonga até quinta-feira.

Na parte das perguntas, os dois Presidentes foram questionados sobre como veem a possibilidade de um novo alargamento da União Europeia, numa altura em que a abertura formal de negociações com a Albânia e Macedónia do Norte se encontra bloqueada pela Bulgária, devido a diferendos históricos e linguísticos, com Sófia a recusar-se a reconhecer a língua macedónia, argumentando tratar-se de um dialeto do búlgaro.

"Portugal tem uma posição de princípio genérica, que é de não ter preconceitos a alargamentos na Europa, nos próprios não fomos membros fundadores, entrámos num alargamento, depois vivemos alargamentos de dentro", disse o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que, em concreto nos Balcãs Ocidentais, Portugal reconhece ser "uma questão sensível", mas defendeu que "não há impossíveis".

"Preferimos o trabalho discreto e concreto às grandes proclamações públicas (...) Às vezes muito barulho é contraproducente", apontou, dizendo acompanhar com "atenção e admiração o esforço em curso" no diálogo entre a Bulgária e a Macedónia do Norte.

O chefe de Estado português lembrou o exemplo de Portugal e Espanha, que tiveram guerras e processos de perda e recuperação de independência, e salientando que "hoje esse vizinho é um irmão".

PUB

O Presidente búlgaro agradeceu os esforços da presidência portuguesa neste tema, dizendo estar convicto que "já estão a dar resultados".

"O alargamento da União Europeia não deve ser feito de forma mecânica, é uma viagem em comum, de amigos dentro de um processo irreversível e sustentável", referiu Rumen Radev, de acordo com a tradução das suas declarações, feitas em búlgaro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG