Covid-19

Portugal vai à China buscar material de proteção e aposta no reforço dos testes

Portugal vai à China buscar material de proteção e aposta no reforço dos testes

Portugal vai à China comprar e recolher material ofertado e prevê reforçar capacidade de testes ao Covid-19. Há 165 profissionais de saúde infetados.

"Há várias linhas de encomendas. Hoje mesmo sai uma avião com destino à China para trazer material. Temos também uma escala nas próximas semanas, tanto para compras de estado como algumas ofertas que têm aparecido", disse o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, esta segunda-feira, em conferência de imprensa.

Nos próximos dias vão chegar mais quatro milhões de máscaras (dois milhões de máscaras cirúrgicas e dois milhões FP2), além de 50 mil zaragatoas, essenciais para se fazerem os testes, acrescentou António Lacerda Sales. "Esse material será distribuído consoante as necessidades. Os equipamentos de proteção pessoal são um bem cuja disponibilidade não é, muitas vezes, imediata, temos de fazer uma gestão criteriosa e distribuí-los primeiro onde são mais necessários, ou seja, os profissionais de saúde que estão a tratar doentes Covid e depois aos outros, no mais breve espaço de tempo possível".

Segundo aquele Governante, o Sistema Nacional de Saúde tem atualmente capacidade para fazer 2500 testes por dia à Covid-19, a que acrescem 1500 nos privados. "No total, temos uma capacidade em stock, de 20 mil testes, entre público e privados", adiantou.

Há neste momento 165 infetados entre pessoal médico

Segundo o secretário de Estado, há neste momento 165 infetados entre pessoal médico, dos quais 37 enfermeiros, 82 médicos. Os restantes são assistentes operacionais e técnicos. "Temos de agradecer a todos os profissionais de saúde, isso é importante", acrescentou António Lacerda Sales.

António Lacerda Sales abordou o problema dos lares de idosos, "uma situação que inspira preocupação". Os casos agora conhecidos deixam ainda mais clara "a urgência destes estabelecimentos ativarem planos de contingência, com espaços de confinamento", apesar de reconhecer que em alguns casos será difícil.

"Estas instituições podem recorrer agora a bolsas de voluntários para prestação de cuidados aos seus utentes", para suprimir a falta de pessoal, acrescentou.

Mais cadeias de transmissão comunitária, mas "controladas"

Graça Freitas, Diretora-Geral da Saúde reconheceu que, em face dos últimos números, há mais cadeias de transmissão comunitária, como a que levou à instauração de uma cerca sanitária em Ovar.

"Sim, há indícios de transmissão comunitária noutras localidades, Esses indícios são mais acentuados nalguns locais do que noutros e dependem também da capacidade de identificar e triar os casos. Mas é verdade que há outras localidades onde pode haver já transmissão comunitária", disse a diretora-geral da Saúde.

"Mas tudo indica que esta transmissão comunitária é muito controlada", disse Graça Freitas. "Se houvesse uma transmissão comunitária mais exuberante, teríamos mais casos" positivos, do que os 2060 anunciados esta segunda-feira pela DGS, que contabiliza 23 mortos desde a chegada da pandemia a Portugal.

Um caso positivo entre os passageiros de cruzeiro que atracou em Lisboa

Em relação ao desembarque de 1300 passageiros de um navio de cruzeiro, em Lisboa, Graça Freitas disse que há um passageiro, português, que testou positivo e que está sujeito a medidas de isolamento.

"Vai ser novamente testado, para termos uma contra-análise. Está bem, estão todos bem, sem sintomatologia", explicou Graça Freitas, "De acordo com as normas de saúde pública, foi ativado o plano de contingência para o navio", acrescentou.

A Diretora Geral da Saúde especificou que a ideia nunca foi testar todos os passageiros, mas apenas aos cidadãos nacionais que iam desembarcar e permanecer em Portugal. "Esses foram testados", explicou.

Sobre os doentes nos Institutos de Oncologia, Graça Freitas disse que se algum doente oncológico acusar positivo para Covid-19 será transferido para um hospital de referência para o tratamento do coronavírus. "Esse é o plano".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG