Ambiente

Portugueses apoiam novos modelos de reciclagem

Portugueses apoiam novos modelos de reciclagem

A maioria dos portugueses (65%) está disponível para aderir a novos sistemas de reciclagem em que o consumidor recebe um retorno por cada embalagem que recicla, revelou um estudo pedido pela Sociedade Ponto Verde (SPV).

Alguns países cobram uma taxa aos consumidores na compra de embalagens (uma espécie de tara) e devolvem esse montante se a embalagem for devolvida. Em Portugal, já existem sistemas pontuais de reciclagem nalgumas superfícies comerciais que convertem os lucros para instituições ou em vouchers para os consumidores gastarem na loja.

Atualmente, está em teste um sistema de depósito para embalagens de bebidas, em fase piloto, que deverá ser implementados em 2023 por força de uma diretiva europeia, e outro projeto piloto de "eliminação dos plásticos descartáveis e recolha dedicada de resíduos orgânicos", a entrar em vigor em 2023, de acordo com a SPV.

Há diversos sistemas que fazem gestão da reciclagem de forma a aumentar a quantidade de embalagens que são recicladas. Os sistemas SDR - Sistemas de Depósito com Retorno são um deles: o consumidor recebe uma pequena quantia por devolver as embalagens que comprou. Dos cerca de 1500 inquiridos no estudo, 51% "afirma ter interesse em vir a utilizar este sistema", que já funciona na Alemanha. Outro dos sistemas cobra uma taxa na compra de embalagens, taxa essa que é devolvida se o cliente reciclar a embalagem comprada.

As conclusões do estudo "Os Portugueses e a Reciclagem de Embalagens: Práticas e Atitudes" revelam que a maioria dos portugueses "mostra intenção de devolver sempre as embalagens para receber de volta esse valor de depósito", pode ler-se no comunicado enviado à imprensa.

Pagar pelo lixo criado

Há também a possibilidade de "se se cobrar uma tarifa diferenciada a cada cidadão ou agregado familiar em função da quantidade de lixo não separado". O sistema é o PAYT - Pay As You Throw já está a ser testado em certas zonas do país, como no concelho da Maia, e prevê que cada cidadão ou família pague pelo lixo que produz não reciclado. "41% considera ainda que um sistema deste tipo pode favorecer bastante o aumento da reciclagem", lê-se no comunicado. Esse sistema PAYT já vigora na Bélgica.

PUB

"Apesar dos incentivos financeiros colherem opiniões positivas na generalidade", os inquiridos no estudo demonstraram preocupação com a acessibilidade às máquinas SDR.

O estudo sobre a gestão de resíduos urbanos focou-se nos Sistemas Integrados de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE), e foi desenvolvido pelo OBSERVA - Observatório de Ambiente, Sociedade e Território do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICSULisboa).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG