Jogos

Psiquiatras pedem regulação das raspadinhas para travar dependência

Psiquiatras pedem regulação das raspadinhas para travar dependência

Portugueses gastam 160 euros por ano em raspadinhas, em Espanha a média são 14 euros, 11 vezes menos.

"Gastamos demasiado dinheiro em raspadinhas e isso significa que o número de pessoas com problemas de jogo patológico, adição ou vício do jogo associado a raspadinhas, também, é potencialmente maior". A convicção é de Pedro Morgado, investigador da Escola de Medicina da Universidade do Minho e psiquiatra no Hospital de Braga que, com a psiquiatra Daniela Vilaverde, acabou de lançar um artigo científico a alertar para a necessidade de regulação desta lotaria instantânea.

De acordo com os dados recolhidos, em 2018, o gasto médio por pessoa nestes jogos foi de 160 euros por ano, em Portugal, um valor muito superior aos 14 euros de média anual registada em Espanha. Concretamente, há dois anos, as receitas da Santa Casa com as raspadinhas foram de 1594 milhões de euros, quando Espanha chegou "apenas" aos 627 milhões de euros.

"Portugal lidera o consumo per capita de raspadinhas e a magnitude dos números fazem-nos suspeitar que há muitos mais problemas do que aqueles que chegam aos serviços de saúde", afirma Pedro Morgado, adiantando que, nos últimos cinco anos, recebeu oito utentes nas consultas do Espetro Obsessivo-Compulsivo, encaminhadas pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD). Antes disso, não tinha registos de doentes viciados no jogo das raspadinhas.

Casos de 500 euros/dia

"Fomos olhar para os números, porque temos a perceção de que há mais pessoas com o problema a recorrer a apoio nos serviços de saúde. Quando vimos os números ficamos muito surpreendidos pela magnitude daquele que é o investimento em Portugal em raspadinhas", explica Pedro Morgado, sublinhando que "há pessoas a consumirem 500 euros por dia" nesta lotaria instantânea. "É um problema muito sério e está subdiagnosticado", entende o psiquiatra, sublinhando que, além da regulação das vendas, um dos objetivos do artigo, publicado na revista The Lancet Psychiatry, é o de "chamar a atenção da comunidade científica para a necessidade de se fazer um estudo epidemiológico para se perceber a dimensão do problema".

Todas as idades

PUB

O psiquiatra diz que ao seu consultório chegam pessoas de todas as idades, em regra, encaminhadas por familiares e já depois de atingirem "dívidas incomportáveis" devido ao vício. Tentar que os utentes deleguem os cartões de crédito e dinheiro noutras pessoas, técnicas de psicoterapia e até medicação são soluções no tratamento da adição ao jogo.

Outras Notícias