Em Atualização

Governo reunido com demissão em cima da mesa

Governo reunido com demissão em cima da mesa

O Governo está esta manhã reunido, depois da aprovação, no Parlamento, da recuperação do tempo de serviço dos professores. O JN sabe que o cenário de demissão está em cima da mesa.

Durante a manhã, o primeiro primeiro-ministro divulgou no Instagram duas fotografias da reunião com o "núcleo de coordenação política", no Palácio de São Bento, com a presença de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência, Pedro Siza Vieira, ministro da Economia, Pedro Nuno Santos, ministro do Planeamento, Mário Centeno, ministro das Finanças, entre outros membros do executivo.

César admite demissão

O presidente do PS, Carlos César, admite a possibilidade de o Governo vir a demitir-se, depois da aprovação da contabilização total do tempo de serviço dos professores, por toda a oposição.

"É legítimo pensar-se que o PS não pode assumir responsabilidades de governo quando entende que as políticas a que fica obrigado o tornam insustentável", disse o presidente do PS, em declarações ao jornal "Público".

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, reagiu, através do Facebook, e diz que a "manhã parece marcada por tentativas de criar um ambiente de crise política", que considera "totalmente artificial."Assunção Cristas e Rui Rio desdramatizaram a situação e acusaram o Governo de dramatizar a situação.

César, que é também líder parlamentar do PS, considerou que "é inconstitucional" uma "decisão da Assembleia da República que se substitui ao Governo, numa matéria que é de negociação coletiva".

À direita, sem assento parlamentar, o novo partido Aliança, liderado por Santana Lopes, lamenta o que se passou na quinta-feira na comissão parlamentar de Educação e Ciência, na qual "a direita casou com a extrema-esquerda" e sublinha que "na política não vale tudo".

Na sequência da aprovação, pela oposição, quinta-feira, no Parlamento, do descongelamento integral do tempo de serviço dos professores, o primeiro-ministro convocou de urgência, para esta sexta-feira de manhã, uma reunião extraordinária de coordenação política".

O parlamento aprovou, quinta-feira, uma alteração ao decreto do Governo, com os votos contra do PS e o apoio de todas as outras forças políticas, estipulando que o tempo de serviço a recuperar são os nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos docentes.

O Governo e o PS têm considerado que esta solução agora aprovada pelo parlamento terá "pesado" impacto financeiro nas contas públicas, entre 600 e 800 milhões ao ano, apresentando também problemas de constitucionalidade.