Coronavírus

Primeiro curado de Covid-19 já está em casa e é de Lousada

Primeiro curado de Covid-19 já está em casa e é de Lousada

É de Lousada o primeiro doente a ter alta depois de ter estado internado no Hospital de São João infetado pelo novo coronavírus.

Casimiro Sousa, de 50 anos, natural de Nogueira, Lousada, foi um dos primeiros casos de infeção detetada em Portugal. Foi dado como curado na quinta-feira, depois de ter realizado dois testes com resultado negativo no espaço de 48 horas e não apresentando sintomas. Foi mandado para casa onde continua sob vigilância, referiu a diretora geral da Saúde, Graça Freitas.

O homem, adianta o jornal regional "Terras do Vale do Sousa" (TVS), é especialista em moldes na fábrica de calçado do cunhado, a Fego-Fla, localizada em Santo Estevão de Barrosas, Lousada. Ficou infetado depois de uma viagem a Itália, onde participou numa feira do setor do calçado em Milão. Esteve lá de 19 a 21 de fevereiro, adianta a mesma publicação.

"Ainda não se pensava que o coronavírus fosse um problema grave no país transalpino, era coisa da China", explicou ao TVS. Na semana passada foi internado depois de sentir "fortes dores musculares e irritação na garganta" e nunca teve febre. O homem foi às urgências duas vezes, uma a Penafiel e outra ao Hospital de Lousada. Só à segunda vez é que foi identificado como caso suspeito.

Casimiro Sousa tem duas filhas de 13 e 26 anos e é casado. Nem as filhas nem a esposa apresentam sintomas. Já o cunhado, de Santo Estêvão de Barrosas, ainda está internado, também por infeção provocada pelo Covid-19, adianta o TVS.

"No meio de dias de dificuldade e superação para todos nós, não se sabendo quando irão terminar, foi com muita satisfação que fui contactado pelo Hospital de S. João a dar nota de que a primeira recuperação, já divulgada em todos os órgãos de comunicação social, é de um cidadão de Lousada", confessa o presidente da Câmara de Lousada.

"Tive oportunidade de lhe ligar e de manifestar-lhe a minha satisfação pela sua recuperação. Não podemos imaginar o que terá esta pessoa vivido nos últimos dias, mas este é também um exemplo de esperança para todo o país", acredita Pedro Machado, que avançava já na quinta-feira que o lousadense estava curado e que outros virão para casa com alta médica, ficando em isolamento para concluir o tratamento. "Saibamos todos respeitar esses nossos concidadãos. Não interessa quem são. Não interessa onde moram. Hoje são eles e estão, felizmente, a recuperar. Amanhã podemos ser nós", apelou o autarca.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG