Federação

Primeiro mês de época balnear com nadadores-salvadores suficientes

Primeiro mês de época balnear com nadadores-salvadores suficientes

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FEPONS) faz um balanço "positivo" do primeiro mês de época balnear, que tem tido vigilantes em número suficiente nas praias, apesar de faltarem "incentivos" e "novos equipamentos".

A época balnear arrancou em diferentes datas no país, tendo as primeiras aberturas de praias ocorrido no início do mês de junho.

"Até ao momento não temos nenhum registo de falta de nadadores-salvadores", disse à agência Lusa o presidente da FEPONS, Alexandre Tadeia, que vinha a alertar desde abril para a possibilidade de faltarem profissionais para assegurar a vigilância no verão.

Segundo o responsável, poderia haver uma carência de 1500 a 2000 nadadores-salvadores, mas esse cenário não se verificou devido ao encerramento das piscinas no interior do país, na sequência da pandemia de covid-19.

"A não-abertura das piscinas no interior fez com que muitos nadadores-salvadores que ficaram desempregados fossem trabalhar para as praias marítimas", apontou.

Aliás, explicou, também foram para as praias "pessoas que trabalhavam nestas piscinas com outras profissões, como professores de natação, mas que também tinham o curso de nadador-salvador".

Além disso, Alexandre Tadeia considerou que a crise financeira causada pela covid-19 poderá ter levado a que mais pessoas procurassem este trabalho, alterando a tendência de que "apenas 50% dos nadadores-salvadores voltam a trabalhar na época balnear seguinte", segundo um estudo da federação.

Já os valores da remuneração dos profissionais "são muito parecidos com os do ano passado", apesar de as associações e os concessionários terem "mais custos" com os equipamentos de proteção individual, relatou.

"Para cada tratamento, seja uma simples ferida, é necessário fazer toda a avaliação covid e, por outro lado, grande parte do equipamento de proteção individual não pode ser reutilizado, o que leva a um aumento da contabilização do custo", explicou.

Como a segurança dos utentes tem estado garantida, o presidente considerou que o primeiro mês de época balnear "está a ser positivo", mas defendeu que a atividade ainda "carece de incentivos fiscais e sociais" e da "homologação de novos equipamentos de salvamento aquático".

Entre abril e maio, a federação apelou à aplicação de incentivos sociais e fiscais para os nadadores-salvadores, como a isenção de impostos (IRS e IVA), taxas moderadoras ou propinas, um regime especial de contratação e uma alteração nos dispositivos de segurança, com a redução do número de vigilantes, mas nada chegou a ser aplicado pelo Governo.

"Nós conseguimos reunir-nos com a comissão de Defesa Nacional e conseguimos fazer uma série de intervenções, mas até ao momento não foi produzido qualquer tipo de incentivos", lamentou.

Segundo o representante, também tem corrido bem a adaptação dos profissionais ao novo protocolo de assistência a banhistas, em que as maiores alterações para evitar o contágio "se sentem mais nos primeiros socorros do que propriamente no salvamento da água".

"Em terra, quer seja para fazer o suporte básico de vida, quer seja para prestar primeiros socorros há alterações muito grandes, mas neste momento todos os nadadores-salvadores têm informação sobre o que devem seguir e não há registo de qualquer problema na adaptação", informou.

Neste sentido, adiantou que já houve registo de profissionais infetados com covid-19, mas que se trata de "casos muito pontuais" que tiveram origem na "vida privada" e não na atividade de assistência a banhistas.

Outras Notícias