Exclusivo

Produzidas cinco mil toneladas de lixo pandémico em 2021

Produzidas cinco mil toneladas de lixo pandémico em 2021

Máscaras e luvas descartáveis são resíduos urbanos e vão para o lixo comum. Caixas e folhetos de autotestes não têm indicação para reciclagem, mas Governo admite "determinar a marcação obrigatória das embalagens com a indicação do seu destino adequado."

Em 2021, tanto na Valorsul, como nas restantes empresas do Grupo EGF - que gere cerca de 60% dos resíduos urbanos em Portugal - foram recolhidas cerca de cinco mil toneladas de lixo pandémico não reciclável. Máscaras e luvas descartáveis e outros equipamentos de proteção individual, maioritariamente colocados no fluxo de resíduos indiferenciados (lixo comum), indicou ao JN a empresa responsável pelo tratamento de resíduos urbanos produzidos em 19 municípios da Grande Lisboa e da região Oeste. Questionada, a Lipor disse não ter estes dados recolhidos.

"Comparando com o ano de 2020, nota-se um ligeiro aumento" em 2021, acrescentou fonte da Valorsul, revelando que "pelas suas características, o que tem mais peso são as luvas descartáveis". Em relação aos autotestes não há dados. Os resíduos resultantes da pandemia "são sempre encaminhados para instalações de tratamento de resíduos com eliminação, ou seja para aterros ou instalações de valorização energética".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG