Ensino

Professores voltam à rua com manifestação nacional a 23 de março

Professores voltam à rua com manifestação nacional a 23 de março

Uma manifestação nacional, em Lisboa, no dia 23 de março, e a entrega da petição subscrita por mais de 60 mil professores, no dia 7, são as primeiras respostas dos sindicatos a novo falhanço negocial sobre a recuperação do tempo de serviço congelado. Entre 11 e 25 de março haverá plenários em todas as escolas para os professores votarem as ações de luta para o terceiro período.

Na reunião desta terça-feira, as dez organizações sindicais ainda não decidiram se irão ao Ministério da Educação no dia 4. Vão esperar pela agenda da convocatória para decidir.

Só estão dispostos a estar na reunião se o Governo aceitar cumprir a lei do orçamento e discutir a proposta dos sindicatos sobre o prazo e modo de recuperação do tempo de serviço. Caso contrário, "temos dúvidas se vamos perder tempo", avançou Mário Nogueira, o líder da Fenprof.

Além da entrega da petição, os sindicatos vão pedir, no dia 7, reuniões ao presidente da Assembleia da República e aos partidos para lhes apresentar a proposta.

"Face ao bloqueio negocial imposto pelo governo, deve então a Assembleia avançar e, através de uma lei, acabar com este problema o mais rápido possível para não prejudicar o 3.º período" de aulas, sublinhou o líder da Fenprof.

Na consulta aos professores tudo será questionado, desde se concordam com a proposta dos sindicatos ou com a do Governo (de recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias) e em que tipo de greves estão os docentes disponíveis para participar: por regiões durante um mês, às aulas do 12.º ou 9.º ano, avaliações.

Tudo estará em cima da mesa, garante Nogueira.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG