Partidos

Próximo líder do CDS vai decidir sobre refiliação de Manuel Monteiro

Próximo líder do CDS vai decidir sobre refiliação de Manuel Monteiro

A direção de Assunção Cristas não vai decidir, até ao congresso de janeiro, a refiliação no CDS do ex-líder Manuel Monteiro, que deixou o partido em 1998 para fundar a Nova Democracia.

"Essa é uma decisão que ficará na pasta de transição" para a liderança que sair do congresso nacional de janeiro de 2020, afirmou à agência Lusa o secretário-geral do CDS, Pedro Morais Soares.

PUB

Após uma progressiva reaproximação aos centristas, desde que se afastou da Nova Democracia (ND) em 2009, Manuel Monteiro participou em várias iniciativas do seu antigo partido, a convite da Tendência Esperança em Movimento (TEM), no ano passado.

Em setembro, entregou a ficha de refiliação na concelhia da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, que aprovou a sua inscrição.

Até agora, a direção nada decidiu, o que foi considerado um "ato censório" que "não cabe num partido que se diz pluralista e democrático" afirmou Abel Matos Santos, porta-voz da TEM, à margem do conselho nacional do partido, em 17 de outubro.

Em 1992, com apenas 29 anos, Manuel Monteiro assumiu a liderança do CDS, adotou uma linha de rutura com uma nova geração de dirigentes, pela refundação do partido, claramente de direita, a ponto de o rebatizar Partido Popular.

Deixou a liderança em 1998, e fundou, mais tarde, em 2003, o partido Nova Democracia que se apresentou às eleições, com resultados muito modestos.

A última vez que concorreu às eleições, nas legislativas de 2011, a Nova Democracia obteve 0,21%, com 11.806 votos, longe de eleger qualquer deputado.

O partido foi extinto pelo Tribunal Constitucional em 2015, por falta de apresentação das contas anuais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG