Parlamento

PS chama Centeno para explicar contas dos professores

PS chama Centeno para explicar contas dos professores

O PS requereu esta quarta-feira uma audição urgente do ministro das Finanças, para Mário Centeno explicar as contas sobre a recuperação do tempo de serviço congelado dos professores.

No requerimento entregue, o PS explica que quer ouvir Centeno sobre o "impacto orçamental dos modelos de recuperação do tempo serviço na carreira dos docentes dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada em anos anteriores".

No debate sobre a apreciação parlamentar ao diploma do Governo, terça-feira, a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público garantiu que o custo da recuperação para todas as carreiras especiais será de 800 milhões de euros, 635 milhões só para os professores. "Incomportável", frisou Fátima Fonseca.

No debate, PSD e CDS criticaram a pouca informação sobre o impacto financeiro, acusando o Governo de não responder aos requerimentos enviados pela Oposição.

"Uma vez que, a par de um princípio de equidade entre trabalhadores, o princípio da sustentabilidade no tempo das soluções adotadas é um requisito fundamental a conformar a decisão da Assembleia da República, entende o Grupo Parlamentar do PS ser da maior conveniência ouvir o ministro das Finanças sobre o impacto orçamental dos modelos de recuperação do tempo de serviço dos educadores e professores abrangidos pelas propostas em análise, no quadro das demais carreiras da Administração Pública", defendem os socialistas no requerimento.

Recorde-se que na terça-feira a Rádio Renascença avançou que o Governo debatia o cenário de demissão e de convocação de eleições antecipadas se fosse obrigado, pelo Parlamento, a contar os nove anos, quatro meses e dois dias de serviço congelado. Notícia que levou o gabinete do primeiro-ministro a esclarecer que "o que está em causa é a sustentabilidade das finanças públicas e não a sustentabilidade do Governo".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG