Sondagem

PS de Costa no limiar da maioria absoluta e Chega ultrapassa o Bloco

PS de Costa no limiar da maioria absoluta e Chega ultrapassa o Bloco

Sondagem da Pitagórica para o JN e a TSF projeta um resultado de 44,8% e deixa os socialistas ainda mais longe do PSD (24,1%). O Chega está em queda (6,4%) mas rouba o terceiro lugar ao Bloco (6,1%).

Os passos trocados de António Costa e Mário Centeno não resultaram no trambolhão que se poderia esperar. Bem pelo contrário. Segundo a mais recente sondagem da Pitagórica para o JN e a TSF, o PS está no limiar de uma maioria absoluta (44,8%) e cada vez mais longe do PSD, que até recupera (24,1%). Outro dado assinalável é que o Chega, mesmo em queda, consegue passar para terceiro (6,4%), ultrapassando o BE (6,1%). A CDU melhora e entra na luta pelo pódio (5,8%). Seguem-se o PAN, em recuperação (3,3%), o CDS, que estanca as perdas (2,8%), e a Iniciativa Liberal, em baixa (1,6%).

O país político e mediático entusiasmou-se, em maio, com a novela à volta do pagamento de 850 milhões de euros ao Novo Banco; com a evidente falta de sintonia entre o primeiro-ministro e seu ministro das Finanças; e ainda mais quando o presidente da República consolou Costa e vergastou Centeno. As elites partidárias e jornalísticas entusiasmaram-se, o país real, aparentemente, não. Pelo menos a julgar pelos resultados da última sondagem da Pitagórica, cujos inquéritos foram recolhidos entre 16 e 24 de maio, já depois da conclusão dos episódios.

PS BATE RECORDE

O PSD de Rui Rio, que pediu a demissão do ministro das Finanças, até sobe um ponto percentual entre os barómetros de abril e maio (para 24,1%), mas o PS de António Costa, que recusou demitir Mário Centeno, sobe três pontos (para 44,8%). É o valor mais alto desde que se iniciaram estes barómetros para o JN, em abril do ano passado.

Um resultado que deixaria os socialistas, se estivéssemos em tempo de eleições, a roçar a maioria absoluta. Recorde-se que António Guterres conseguiu 44% (menos 8 décimas) em 1999 e ficou a um deputado do controlo do Parlamento; mas que José Sócrates marcou 45% (mais duas décimas) em 2005, conseguindo a única maioria socialista em 46 anos de democracia.

O fosso entre os dois maiores partidos continua por isso a alargar-se: nas legislativas de outubro passado foi de cerca de nove pontos percentuais e, de acordo com a projeção atual, já ultrapassaria os 20 pontos, em favor do PS.

Mas o atual clima de paz social entre os dois maiores partidos (o drama com Centeno foi a exceção) também autoriza a leitura de que o chamado "bloco central" ganha dimensão: a soma de socialistas e sociais-democratas nas legislativas de 2019 dava 64 pontos percentuais, e está agora em quase 70 pontos. Esse ressurgimento do "centrão" fica mais evidente quando se percebe que a maioria dos outros partidos (com a notável exceção do Chega) valem menos do que em outubro passado.

ESQUERDA AMARGA

Destacam-se em particular os partidos à Esquerda do PS. Bloquistas e comunistas somaram, nas últimas legislativas, cerca de 16 pontos; hoje valem 12 (menos quatro pontos). Nos barómetros de março e abril, o BE mostrava maior capacidade de resistência, mas os resultados de maio são piores, aproximando-o da CDU (estão separados por três décimas). Parece ser evidente que o PS canibaliza o eleitorado dos seus antigos parceiros.

É diferente o cenário à Direita. O valor conjunto de Chega, CDS, Iniciativa Liberal e Aliança é de 11 pontos: menos dois do que há um mês, mas mais três do que nas eleições de outubro passado. Ao contrário do PS, o PSD está a perder para os seus rivais mais pequenos. Se a projeção de resultados para Rui Rio se confirmasse em eleições, seria o pior resultado de sempre dos sociais-democratas (Sá Carneiro marcou 24,3% em 1976).

CHEGA AINDA SOMA

Quando se comparam os resultados das legislativas de 2019 com a projeção atual, há apenas dois partidos com razão para celebrar: os socialistas, porque estão no limiar de uma maioria absoluta, e os radicais de direita do Chega, agora em terceiro lugar.

Mesmo tendo em conta que a formação de André Ventura está em queda desde março (já perdeu quase dois pontos percentuais), o que é verdadeiramente importante é que soma mais cinco pontos do que em outubro passado.

São sondagens e não resultados reais, é certo. Mas revelam tendências. Acresce que o Chega mantém-se estável em Lisboa, ou seja, no maior círculo eleitoral do país.

21%

Tal como em março e abril, o PS está à frente do PSD em todos os segmentos (excluindo a faixa dos 45/54 anos, com um empate). Essa diferença é maior entre as mulheres (mais 21 pontos para os socialistas) do que entre os homens (mais 13 pontos)

29,9%

A região Norte continua a ser o melhor bastião dos sociais-democratas (29,9%), ainda que estejam abaixo dos socialistas (33,2%). No Grande Porto o caso muda de figura: o PS tem uma vantagem de quase 26 pontos relativamente ao PSD.

16,2%

O número de indecisos continua em queda: são agora 16,2%, com destaque para os homens (16,9%), os que têm entre 18 e 24 anos (25%) e os que residem no Grande Porto (23,5%).

21,4%

Os portugueses que votaram no Bloco de Esquerda continuam a revelar-se menos fiéis, numa tendência que permanece constante há três meses e que ajuda a explicar os maus resultados: ao todo, 21,4% estão agora indecisos.