Nacional

PS repudia afirmações de Aguiar-Branco no Pontal

PS repudia afirmações de Aguiar-Branco no Pontal

O papel de José Pedro Aguiar-Branco na anual festa laranja no Pontal parecia ingrato: fazer esquecer a ausência da líder do partido, que nem sequer foi convidada. O caminho mais eficaz seria criticar o Governo. Foi o que fez. O PS reagiu.

Coube a Vieira da Silva, ministro da Solidariedade e coordenador da campanha eleitoral do Partido Socialista, repudiar as afirmações proferidas anteontem à noite, no Algarve, pelo vice-presidente do PSD. Aguiar-Branco, num discurso que tradicionalmente caberia a Manuela Ferreira Leite - a líder do partido faltou o ano passado e este ano já não foi convidada, que Mendes Bota recusa "levar duas tampas da mesma rapariga" -, acusou o governo de José Sócrates de estar "sob suspeita", de ter uma visão "retrógrada", "sovietizada" e "clientelar" do país, de "desprezar as pessoas".

Em conferência de Imprensa marcada ontem para o final da tarde, propositadamente para reagir às declarações do PSD, Vieira da Silva considerou-as "graves" e sublinhou que "marcam um tom para o debate eleitoral que o PS repudia de forma clara."

Tentando fazer a leitura do discurso de Aguiar Branco, nomeadamente quando afirmou que o governo está "sob suspeita", o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social notou que essas declarações "indiciam uma estratégia de recurso a insinuação, à maledicência e ao combate político ao seu mais baixo nivel."

Consciente de que o papel de Aguiar-Branco na festa de Mendes Bota não seria o mais confortável - por exemplo, Mendes Bota, o líder da distrital, e Manuela Ferreira Leite não se entendem - Vieira da Silva aproveitou para explicar aquele discurso à luz dos desentendimentos internos dos sociais-democratas. "Se o PSD tem dificuldades, que são conhecidas, de apresentar aos portugueses algo que se aproxime minimamente de um programa político; se o PSD tem problemas, que são visíveis, de instabilidade interna, que não tenha ilusões: não é o regresso à política da difamação ou o regresso aos ataques de carácter que servirão para esconder esses problemas." E rematou: "Esse é um caminho inaceitável que não está à altura dos desafios e dos problemas com que Portugal e os portugueses se defrontam."

Vieira da Silva salvaguardou ainda que o PS "não teme qualquer campanha ou estratégia dos adversários". Mas nunca se inibirá de "denunciar o recurso a campanhas negras, que só servem para degradar a vida democrática e afastar os portugueses das decisões eleitorais." Finalmente, fez um apelo "a um debate sério e responsável", garantindo que jamais cederá à política do vale tudo".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG