Eleições regionais

PS rouba maioria absoluta e obriga PSD a negociar com CDS na Madeira

PS rouba maioria absoluta e obriga PSD a negociar com CDS na Madeira

Os resultados das eleições legislativas na Madeira dão vitória ao PSD mas, pela primeira vez em 43 anos, sem maioria absoluta. O PS vangloria-se pelo "melhor resultado de sempre", mas os centristas viabilizam a maioria parlamentar. O resultado histórico das urnas não deve refletir-se na Assembleia, onde ganha o centro-direita.

Apuradas as 54 freguesias da Madeira, o PSD de Miguel Albuquerque foi o partido mais votado, com 39,38% dos votos, seguido do PS de Paulo Cafôfo, com 35,76%. Os sociais-democratas conseguiram eleger 21 deputados, contra os 19 dos socialistas, mas precisavam de 24 para chegarem à maioria absoluta.

O CDS-PP é a terceira força política mais votada, com 5,76% (três deputados eleitos), seguido pelo JPP, com 5,47% (dois deputados). A CDU elegeu Edgar Silva como único deputado ao conseguir 1,77% dos votos, e o BE, com 1,80%, fica sem assento na Assembleia. O PAN conseguiu 1,46%, o PURP 1,23%, RIR 1,21%, PTP 1%, Aliança 0,53%, Iniciativa Liberal 0,53%, Chega 0,43%, PDR 0,42%, PCTP/MRPP 0,42%, MPT 0,35% e PNR 0,19%. A taxa de abstenção situou-se nos 44,49%, tendo votado cerca de 143 mil dos 257 mil inscritos. Registaram-se 706 votos em branco (0,49%) e 2530 nulos (1,77%).

Na primeira reação aos resultados eleitorais, Paulo Cafôfo foi buscar inspiração à "Geringonça", que em 2015 viabilizou um Governo com acordos à Esquerda, e desafiou toda a Oposição a juntar-se para criar uma alternativa ao poder social-democrata, considerando que a maioria dos eleitores não votou PSD. "É o desafio que o PS propõe, naquilo que foram os resultados eleitorais: criar uma base de entendimento com os partidos da oposição e poder fazer e realizar e concretizar a mudança", atirou.

Mas os líderes do PSD e CDS Madeira manifestaram já vontade de trabalhar em conjunto. E Assunção Cristas chutou para canto qualquer apoio ao PS: "As eleições foram claríssimas, o centro-direita tem a maioria, as esquerdas foram derrotadas".

O secretário-geral do PS, António Costa, salientou que "o resultado mais significativo foi o do PS", que "obteve um resultado histórico, o melhor de sempre, com uma notável recuperação face há quatro anos". Antes, a secretária-geral adjunta do partido, Ana Catarina Mendes, tinha anunciado o fim do "poder absoluto na Madeira".