Exclusivo

Quotas evitam que desemprego entre deficientes atinja valor alarmante

Quotas evitam que desemprego entre deficientes atinja valor alarmante

Pandemia fez aumentar em 11,6% o número de pessoas com incapacidade inscritas no IEFP, mas a lei das quotas que obriga a contratar evitou um cenário três vezes pior.

Depois de três anos consecutivos a baixar, está a aumentar o número de pessoas com incapacidade inscritas no Instituto de Emprego e Formação Profissional: no final de 2020, eram 13 420, mais 11,6% do que no final do ano anterior (12 027). No entanto, o desemprego total, com e sem deficiência, subiu quase o triplo (29,6%) no mesmo período, o que significa que entre os deficientes não está a aumentar tanto. A lei das quotas, que obriga empresas a contratar pessoas com deficiência, foi determinante para travar um descalabro entre estes cidadãos.

De 2011 a 2016, o desemprego entre os deficientes subiu sempre. Depois desse ano, até 2019, diminuiu. Agora, com a pandemia, voltou a subir. A atenuar o efeito da subida do desemprego está a lei das quotas de contratação de pessoas com deficiência, que vai obrigar as médias e grandes empresas a contratar funcionários com incapacidade acima de 60%, até 2024 e 2023, respetivamente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG