Esposende

Recolha de fundos para ajudar menino com 95% de incapacidade

Recolha de fundos para ajudar menino com 95% de incapacidade

Gosta de concertina, karaté e BTT, dança contemporânea, hip-hop e folclore. Sérgio Fernandes, 12 anos, tinha, até há um ano, uma vida repleta, mas teve de a deixar para trás após ser atropelado e ter ficado com uma incapacidade de 95%, preso a uma cama e dependente da mãe.

O acidente aconteceu a 6 de junho de 2019, à porta de casa dos avós, em Palmeira de Faro, Esposende. Foi projetado, esteve em coma e foi dado como apto para doador de órgãos. Mas Sara Cavalheiro, munida de uma força que nem conhecia e de uma alma que se alimenta do olhar do filho, não desistiu. Foi trabalhar pela última vez nesse 6 de junho do ano passado. Desde então, nunca mais o abandonou. No hospital, no centro de reabilitação e agora em casa, em Perelhal, Barcelos, onde Sérgio regressou a 3 de março. Uma casa que precisa de obras, como um quarto com cama articulada elétrica e uma casa de banho. Ela dorme sempre ao seu lado.

"Quando me deixaram chegar perto dele no hospital, dei-lhe a mão e disse: "luta por mim que eu luto por ti". Abriu os olhos do coma em finais de julho e caiu-lhe uma lágrima", descreve a mãe. A luta tem sido diária. Em casa, e só com um ordenado, o do pai, fazer contas não é fácil. Só em despesas mensais são cerca de 2000 euros, a que se soma agora a terapia, que passou a ser paga desde o início da pandemia.

Por isso, no dia 7, Sílvia Cruz, que já tinha mobilizado um grupo de apoio a Pedrógão Grande, em 2017, criou a página de Facebook "Juntos pelo Serginho" e tem já mais de 15 mil seguidores. Foi também criada uma conta solidária (IBAN PT 0050 0007 0000 0050 0021 2272 3), que aguarda autorização do Banco de Portugal. Hoje, realiza-se uma feirinha de bolos e um leilão de animais vivos junto à capela de Santo António, em Palmeira de Faro. No dia 20, o Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira fará takeaway solidário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG