Exclusivo

Reportagem: como os hospitais se adaptaram à pandemia

Reportagem: como os hospitais se adaptaram à pandemia

Os hospitais tiveram de adaptar-se para fazer frente à covid-19. Em Matosinhos, uma nova unidade duplicou a capacidade para acolher doentes críticos.

Com o inimigo pandémico a atacar de dia para dia, os hospitais cerraram fileiras e traçaram estratégias de combate. A batalha começou há mais de um ano, e, para se armarem para a luta, as unidades de saúde uniram esforços, adaptaram espaços, muniram-se de mais meios humanos, reinventaram-se ou construíram novas unidades em tempo recorde, como fez o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos. E do pouco fizeram muito.

É Rui Araújo, o médico que dirige o Serviço de Medicina Intensiva (SMI), quem nos guia pela redobrada Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) de Matosinhos. Um corredor liga a área antiga à nova, "um braço" com 11 quartos de pressão negativa, que há um ano se estendeu a partir dos gabinetes e que tem sido precioso na resposta aos casos mais críticos de covid-19. São espaços contíguos, mas realidades distintas: a velha UCI não é grande, e só tem dois quartos de pressão variável. De resto, é um espaço aberto, com oito camas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG