Economia

Restauração pede mais apoios e fim dos certificados

Restauração pede mais apoios e fim dos certificados

Grupos maiores no interior e nas esplanadas dos restaurantes não resolvem prejuízos acumulados há 18 meses, alertam a Pro.var e a AHRESP.

O governo anunciou esta sexta-feira o alívio de algumas restrições em vigor para os restaurantes, mas mantém a exigência da apresentação de certificado digital ou teste negativo à covid-19 desde os jantares de sexta-feira até aos de domingo. As associações Pro.var e AHRESP reclamam que o facto de, a partir de segunda-feira, serem permitidos grupos de oito pessoas no interior dos estabelecimentos de restauração e de quinze pessoas nas respetivas esplanadas, não resolve os graves prejuízos dos últimos 18 meses de luta contra a pandemia.

"Estas medidas, apesar de positivas, estão muito longe do regresso à normalidade", comentou fonte oficial da AHRESP. "Não obstante a melhoria no funcionamento das nossas empresas, continuamos com prejuízos acumulados há cerca de ano e meio, pelo que a AHRESP considera importante a continuidade de apoios específicos para compensar as perdas até agora registadas", acrescentou.

Daniel Serra, presidente da Pro.var, considerou que esta alteração das regras "não é substancial, até porque o que a associação pediu ao governo foi a abolição da obrigatoriedade da apresentação do certificado digital ou do teste negativo e a transferência dessa responsabilidade para o cliente". Assim, sublinhou o empresário, "mantém-se a grave discriminação dos restaurantes que não têm esplanadas, assim como os dos centros comerciais", que "continuam a acumular perdas num cenário em que o governo afasta a possibilidade de atribuir mais apoios".

"Vamos continuar a lutar e a persistir na exigência de apoios para os que continuam a ser prejudicados e que nos dizem que foi o segundo verão que lhes foi roubado pela pandemia, com graves consequências para a sobrevivência das empresas", prometeu o presidente da Pro.var.

Tal como a Pro.var, a AHRESP também apresentou propostas de mitigação dos prejuízos ao governo, nomeadamente "dez medidas contempladas no programa "Enfrentar a Pandemia | Garantir a Sobrevivência", entregue ao governo a 12 de julho". Ambas as associações pedem, entre outras medidas, a baixa temporária do IVA até ao restabelecimento da normalidade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG