O Jogo ao Vivo

Nacional

Resultados em Portugal mostram que funcionou "o golpe dos mercados"

Resultados em Portugal mostram que funcionou "o golpe dos mercados"

Os resultados eleitorais em Portugal demonstram que funcionou o "golpe dos mercados" que provoca que as políticas de cortes para enfrentar a crise deem "todos os benefícios à Direita", afirmou um líder da Esquerda Unida espanhola. O PS de Espanha diz que a Esquerda europeia está a pagar os custos das "assimetrias" causadas pela crise.

A Imprensa norte-americana considera que "os credores internacionais" gostaram do "mandato forte" do centro-direita que saiu das legislativas de domingo. Na Europa, a comunicação social destaca que Sócrates "foi varrido" na vitória da Direita. Triunfo visto com preocupação pela Esquerda do país vizinho.

Gaspar Llamazares, porta-voz da IU no Congresso de Deputados, afirmou que a pressão dos mercados conseguiu que a resposta à crise passe pelos cortes sociais, "inclusive por parte de governos progressistas", que depois sofrem derrotas eleitorais.

Quem lucra, insistiu, é a direita económica, que "obtém os rendimentos de uma saída da crise pouco solidária", e a direita política, que "obtém os votos e fortalecerá ainda mais esses cortes".

Por isso, Llamazares recomendou aos socialistas espanhóis (PSOE) que "aprendam com os seus companheiros em Portugal", avançando "numa viragem à esquerda". Senão, afirmou, "o PSOE fará os cortes e o PP receberá os votos".

Juan Fernando Lopez Aguilar, eurodeputado PSOE, considera que, a direita está a "demonstrar um enorme apetite de poder e de mobilização", enquanto a esquerda e os "sectores progressistas" expressam "o seu descontentamento com a situação, recusando a política e os políticos" e "fragmentando o seu voto com altos níveis de abstenção".

"Esta altíssima abstenção, mais de 40%, é boa parte da explicação do resultado. Como causa da deserção das urnas e da desmobilização de amplos sectores progressistas que perdem confiança na capacidade dos governos de enfrentar este assalto para enfrentar a crise e o assalto especulativo", afirmou.

PUB

"Como europeus, devemos expressar a maior preocupação porque se estejam a impor a países membros da UE restrições insuportáveis à autonomia da política e condições de impossível cumprimento", disse.

Depois dos resultados em Portugal - e dos que se verificaram nas eleições noutros países - Aguilar considera que a esquerda "deve tomar muito a sério o "impacto sobre os valores progressistas desta onda anti-política e anti-europeia que sacode a Europa".

Para isso deve "unir esforços, quando tem margem de manobra decrescente" coordenando-se a nível europeu "quanto antes".

"O impacto político desta sequência está a ser o da perda de apoio dos governos progressistas como demonstra que um dos últimos governos socialistas na Europa, o Governo português, acaba de ser derrubado", disse.

"A esquerda deve reagir e não apenas a nível nacional. Deve reflectir e agir em comum, porque os eleitores progressistas europeus não decrescem nem diminuem, mas estão desmobilizados", considerou.

Manifestando "respeito pelo pronunciamento das urnas em Portugal", Lopez Aguilar quis expressar "solidariedade com o esforço épico dos socialistas portugueses que enfrentaram, no Governo e ao longo do debate eleitoral, a pior crise que conheceu a UE desde a sua fundação".

Deixando uma "mensagem de alento aos companheiros socialistas portugueses", Lopez de Aguilar considerou que a crise da dívida na zona euro "demonstrou muitas assimetrias e desequilíbrios", acabando por ter um grande "impacto político".

Outras Notícias