Campanha

Rio rejeita anel de rubi de Ventura

Rio rejeita anel de rubi de Ventura

O deputado do Chega dedicou a Rui ​​​​​​​Rio uma versão desafinada do tema "Anel de Rubi", de Rui Veloso, mas o líder do PSD reiterou esta sexta-feira de manhã que não quer casamento político e que o Chega está fora da equação de um acordo parlamentar pós-eleitoral.

À margem de uma visita à Liga dos Bombeiros Portugueses, Rio comentou os dotes musicais de André Ventura, ou a falta deles, e rejeitou receber o anel: "O anel para ir ao Rivoli não, não vou aceitar, já fui muitas vezes ao Rivoli. O doutor André Ventura decidiu cantar, aliás com uma voz um bocado fraca, por isso é que eu não canto porque tenho uma voz parecida, de cana rachada".

Perante a insistência, Rio assegurou que o casamento político também não vai acontecer e que o ónus está nos deputados do Chega que vierem a ser eleitos: "Se amanhã houver um Orçamento do Estado do PSD eles vão ter de se levantar e vão ter de dizer. Se disserem "sim" estão connosco, se disserem "não" estão com a Oposição, que é o Bloco de Esquerda, o PCP e o PS".

Recorde-se que Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse na quarta-feira à noite, na CNN, que PS e PSD não deviam "obstruir" o Governo um do outro, mas que para o PS isso só pode acontecer se o Chega ficar de fora. "Acho que essa declaração do ministro Santos Silva é uma declaração positiva, civilizada e que ajuda francamente à governabilidade. Vem no sentido do que eu próprio tenho vindo a dizer", comentou o líder do PSD.

De seguida, voltou a garantir que não vai negociar com o Chega e que o partido de André Ventura é que vai decidir: "Se a questão do PS é o Chega estar fora da equação, isso estou eu a dizer desde sempre que está. Não está é fora do Parlamento porque isso são os portugueses que determinam, não sou eu. Quando um partido elege deputados eles sentam-se no plenário da Assembleia da República e o seu dever é levantarem-se para votar a favor, contra ou abstenção"

Ainda assim, Rui Rio deixou algumas "bicadas" ao PS sobre sondagens: "Neste momento eu posso dar os parabéns ao Partido Socialista porque nas sondagens ganhou, mas isso ganha sempre. Agora vamos ver nas eleições de domingo". O presidente do PSD já desvalorizou por várias vezes os estudos de opinião nesta campanha e no último dos 15 dias de apelo ao voto lembrou o que aconteceu na Câmara de Lisboa: "Nas sondagens levei uma banhada, mas no dia ganhamos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG