PSD

Rio tem a "missão" de ganhar, mas diz que o importante são as legislativas

Rio tem a "missão" de ganhar, mas diz que o importante são as legislativas

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou que está na política por "missão" e que acredita na vitória nas diretas deste sábado. No entanto, vincou que "o mais importante" é o seu partido vencer as legislativas de 30 de janeiro e disse ter-se preparado "do ponto de vista técnico, político, profissional e emocional" para ser primeiro-ministro.

"O que espero, a partir do momento em que sou candidato a uma eleição é, naturalmente, é ganhar essa eleição", afirmou Rio, este sábado, no Porto, à saída do local de voto. Mas acrescentou: "O mais importante não é o dia de hoje. É depois, no dia 30 de janeiro, o partido estar em condições de ganhar as eleições legislativas. Esse é que é o grande objetivo".

O líder laranja desvalorizou, contudo, os efeitos de uma eventual derrota para Paulo Rangel: "Uma vez que tantas vezes tenho dito que não estou aqui por mim, mas sim por uma missão e por aquelas pessoas que acreditam em mim, se perder terei, do ponto de vista pessoal, uma vida muito mais tranquila", referiu.

Questionado sobre se está preparado para ser primeiro-ministro, Rio respondeu que "a função é de tal modo complexa que no fundo, no fundo, ninguém está preparado". Contudo, lembrou que é líder do PSD "há muito tempo" e que, como tal, se foi preparando para governar o país "do ponto de vista técnico, político, profissional e, também, emocional".

Lamenta 'timing' das diretas

O presidente social-democrata admitiu também que a sua preparação do partido para as legislativas "não será a mesma" que seria se não houvesse eleições internas e se as eleições do país não fossem perto do Natal e da passagem de ano.

Lembrando que "isto não fica resolvido hoje", uma vez que o PSD ainda terá o congresso a meio de dezembro, Rio assegurou, contudo, que irá fazer "o melhor possível" para criar condições para que o partido consiga um bom resultado nas legislativas.

PUB

O líder laranja considerou ainda "vergonhosas" as notícias, publicadas hoje, que referem que a sua campanha enviou uma SMS com conteúdos falsos aos militantes. Rio repudiou que se tente "enganar as pessoas no próprio dia das eleições com uma mentira".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG