PSD

Rui Rio recusa pôr "o carro à frente dos bois" quanto a eventual adiamento de diretas

Rui Rio recusa pôr "o carro à frente dos bois" quanto a eventual adiamento de diretas

O presidente do PSD, Rui Rio, recusou esta terça-feira colocar "o carro à frente dos bois", questionado sobre se irá propor novamente ao Conselho Nacional do partido o adiamento das diretas, apontando que o Orçamento "ainda não reprovou".

"Neste momento, o Orçamento ainda não reprovou, portanto, enquanto isso não estiver claro eu não ponho, como diz o povo, o carro à frente dos bois", respondeu Rui Rio, em declarações aos jornalistas no parlamento, questionado sobre se iria propor ao Conselho Nacional o adiamento das eleições internas, num cenário de crise política e legislativas antecipadas.

Questionado sobre se o PSD vai adiar as diretas se houver eleições antecipadas, Rio respondeu que "isso é uma outra questão que a seu tempo se coloca", rejeitando responsabilidades na situação criada ao PSD "no caso de amanhã [quarta-feira] o Orçamento não passar" na generalidade.

"Eu não tenho qualquer responsabilidade na situação criada ao PSD no caso de amanhã o Orçamento não passar, não tenho responsabilidade nenhuma, fiz aquilo que estava ao meu alcance, avisei. Eu tenho muitos anos já de experiencia politica, avisei isso, e eu percebi perfeitamente que esta situação não era a mesma dos outros orçamentos", sustentou.

"Custa me até acreditar que quem tenha o mínimo de experiência política não tivesse percebido isso logo, olhe, foi assim", aditou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG