fertilidade

Temos a segunda taxa de fertilidade mais baixa da OCDE

Temos a segunda taxa de fertilidade mais baixa da OCDE

Taxa de fertilidade caiu para metade em 40 anos. É a segunda mais baixa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. Pior do que nós só a Coreia do Sul.

A taxa de fertilidade não para de cair em Portugal. Em 2013, cada mulher tinha, em média, 1,21 filhos, de acordo com dados divulgados esta quarta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) a propósito do Dia Internacional da Família, que se assinala sexta-feira. Pior do que Portugal só mesmo a Coreia do Sul, com a taxa mais baixa entre os 40 países membros da OCDE - 1,19.

Se recuarmos a 1970 constata-se que, no período em análise, aquele indicador, em Portugal, era de 2,83 filhos por mulher, tendo em 1995 recuado para os 1,41, ficando em 2013 abaixo da média da OCDE, de 1,67. No documento, a OCDE alerta para o facto de as taxas de fertilidade dependerem de diferentes variáveis, como sejam a conciliação entre trabalho e família e a existência de creches.

Em sentido inverso, Portugal é o sexto país da OCDE onde a licença parental dura mais tempo (21,29 semanas), num ranking liderado, curiosamente, pela Coreia (52,60 semanas). Por cá, a licença tem a duração de 120 ou 150 dias seguidos, mediante a opção dos pais, podendo prolongar-se por mais 30 dias no caso de partilha da licença ou de nascimento de gémeos.