Nacional

Metade dos doentes morrem sem cuidados paliativos

Metade dos doentes morrem sem cuidados paliativos

Desde o início do ano abriram 47 vagas em unidades de cuidados paliativos, aumentando para 252 os lugares disponíveis. Em 2014 foram assistidas 4358 utentes nas unidades e pelas equipas intra-hospitalares e domiciliárias, apenas mais 99 que no ano anterior.

Estes números ficam muito aquém das necessidades estimadas pela Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que calcula que haja 62 mil doentes terminais.

Segundo Luís Capelas, presidente da APCP, o tempo de espera entre a referenciação e o acompanhamento destes doentes é "muito elevado", ultrapassando os 30 dias. "Mais de metade das pessoas morre à espera de cuidados paliativos", contou ao JN, uma vez que a média de sobrevivência é de sete dias após a referenciação. Os próprios médicos, revelou, estão a deixar de encaminhar doentes para os cuidados paliativos "porque sabem que o tempo de espera é elevado".

Leia mais na versão e-paper ou na edição impressa.

Outras Notícias