Tabaco

Vício do tabaco aumenta nas mulheres

Vício do tabaco aumenta nas mulheres

A prevalência de fumadores diminuiu ligeiramente em Portugal mas a percentagem de mulheres consumidoras diárias de tabaco cresceu.

Este é um dos pontos que merece nota do relatório sobre tabagismo apresentado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde.

A incidência de fumadores, considerando as pessoas com 15 ou mais anos em Portugal e os que fumam ocasionalmente, caiu de 20,9%, em 2005/2006, para os 20% em 2014. Já os fumadores diários, mais dependentes do cigarro, desceram quase dois pontos percentuais, passando de 18,7% para 16,8%.

Não diminuiu, no que o relatório "Portugal - Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2015" designa de "nota menos positiva", a experimentação e o consumo diário nas mulheres.

O valor dos que nunca fumaram perdeu cinco pontos percentuais (62,9% para 58,2%), "o que traduz um aumento da experimentação do consumo". Facto esse que "permite concluir que a redução na prevalência do consumo de tabaco foi conseguida sobretudo à custa do aumento do número de pessoas que deixaram de fumar".

Por outro lado, a curva da diminuição dos consumidores diários do sexo masculino não encontrou equivalência no sexo feminino. Enquanto eles passaram de 27,5% para 23,%%; elas revelam uma linha ascendente, de 10,6% para 10,9%.

O relatório hoje apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian conclui ainda que 8,6% da população ainda se encontra exposta diariamente ao fumo ambiental do tabaco e que isso acontece sobretudo em espaços de lazer (38,3%), seguindo-se a casa (31%) e o local de trabalho (20,5%).

O tabaco continua a ser o fator de risco comportamental mais mortífero, na ordem dos 11%. E uma em cada cinco mortes observadas em pessoas entre os 45 e os 54 anos são atribuídas ao tabaco.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG