Nacional

Seguro contra eventual recurso do PS aos resultados do Rio de Janeiro

Seguro contra eventual recurso do PS aos resultados do Rio de Janeiro

António José Seguro, candidato à liderança dos socialistas, manifestou-se hoje contra um eventual recurso do PS por causa dos resultados do Rio de Janeiro, alegando que o número de votos em questão não interfere na atribuição de mandatos.

Numa posição transmitida à agência Lusa, António José Seguro afirmou ainda entender que a nova legislatura deverá iniciar-se "o mais brevemente possível", mas também defendeu uma reflexão sobre o que se passou neste círculo eleitoral Fora da Europa de forma a evitar eventuais fraudes eleitorais.

O Secretariado Nacional do PS, o órgão de direcção restrita dos socialistas, reúne-se hoje para decidir sobre um eventual recurso deste partido ao Tribunal Constitucional, na sequência do apuramento dos resultados eleitorais na mesa de votos do Rio de Janeiro do círculo eleitoral Fora da Europa.

António José Seguro foi convidado pelo presidente do PS, Almeida Santos, a participar na reunião do Secretariado Nacional, mas declinou o convite por não ser membro de pleno direito deste órgão e por entender que este órgão continuar a estar na plenitude das suas competências para decidir.

Numa posição transmitida à agência Lusa, António José Seguro defende que "o PS não deve interpor recurso sobre os votos do Rio de Janeiro, dado que o número de votos em causa não tem qualquer consequência na atribuição de mandatos pelo círculo eleitoral Fora da Europa".

"O PS deve contribuir para que a Assembleia da República inicie o mais brevemente a nova legislatura. O país tem a ganhar com essa decisão", alegou o candidato a secretário-geral dos socialistas.

No entanto, face à polémica que se gerou em torno da contagem de votos no círculo eleitoral Fora da Europa, António José Seguro deixou também um aviso para futuro: Apesar de ser contra a ideia do PS interpor agora um recurso, isso "não impede uma reflexão sobre todo o processo, de modo a evitar eventuais fraudes eleitorais", refere António José Seguro.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG