O Jogo ao Vivo

António Costa

Situação em Portugal é "estável" e reuniões no Infarmed continuam

Situação em Portugal é "estável" e reuniões no Infarmed continuam

O primeiro-ministro assegurou que as reuniões com epidemiologistas no Infarmed vão continuar, mas que a seguinte não foi marcada porque a situação pandémica no país está estabilizada e não há informação relevante nova para partilhar.

A explicação foi transmitida por António Costa no final de uma reunião com a presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares, em que também estiveram presentes a ministra da Saúde, Marta Temido, e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, que é também o coordenador do Governo para a região de Lisboa e Vale do Tejo para o combate à covid-19.

Questionado pelos jornalistas se vão acabar as reuniões no Infarmed, onde participam o Presidente da República e representantes de partidos, entre outras entidades, para partilha de informação sobre a evolução da covid-19 em Portugal, o primeiro-ministro negou o fim dessas reuniões e admitiu que uma nova possa ter lugar até ao final deste mês.

Depois, justificando a razão de não se saber a data da próxima reunião com os epidemiologistas, António Costa observou que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, "explicou bem" ao fim da manhã de hoje o que se está a passar, adiantando, a este propósito, que, em termos de evolução da pandemia da covid-19, "o país encontra-se numa situação estável".

"Há uma informação já muito partilhada e há dois estudos importantes que estão a decorrer: Um do Instituto Nacional de Saúde Pública centrado na medição do nível de imunização; outro liderado pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto para medir a especificidade das cadeias de transmissão, designadamente na região de Lisboa. Até esses estudos estarem concluídos, em princípio no final do mês - salvo haja uma alteração significativa que justifique -, não está prevista nenhuma nova reunião", declarou.

Neste ponto, António Costa classificou em seguida como "úteis" as dez reuniões já realizadas no Infarmed e salientou que "é fundamental a prática de fiabilidade dos dados, total transparência e partilha dos dados com todos os responsáveis políticos".

PUB

O chefe de Governo considerou ainda que o modelo de intervenção aplicado na Amadora no combate à covid-19, baseado em equipas multidisciplinares e com ações direcionadas em termos de terreno, "foi um bom exemplo", sendo agora "replicado" em outras zonas da Área Metropolitana de Lisboa.

"Ninguém pode afrouxar as medidas de proteção individual, de higiene e de proteção respiratória até haver vacina - e a vacina estar disponibilizada universalmente. Até não haver vacina, ou não haver tratamento, o vírus continua a andar por aí", advertiu. António Costa rejeitou depois a ideia de que a pandemia da covid-19 exija sempre novas medidas, defendendo, pelo contrário, "a necessidade de haver paciência e persistência na aplicação das medidas já no terreno".

Outras Notícias