Confinamento

Só 22 mil pais solicitaram ajuda do Estado por causa do fecho das escolas

Só 22 mil pais solicitaram ajuda do Estado por causa do fecho das escolas

Número representa 13% dos 170 mil pedidos feitos no arranque da medida em março do ano passado, segundo revelou a ministra do Trabalho.

A Segurança Social recebeu até quarta-feira apenas 22 mil pedidos de apoio por parte de pais forçados a ficar em casa a cuidar de filhos menores de 12 anos, devido à suspensão das aulas presenciais a 15 de janeiro, no que representa apenas pouco mais de um décimo daqueles que aderiram à medida na última primavera, com paragem das aulas então a 16 de março.

O número foi avançado pela ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, numa curta apresentação, após reunião da Comissão Permanente de Concertação Social. O encontro serviu para fazer o balanço, com os parceiros sociais, das medidas extraordinárias de apoio acionadas no atual estado de emergência. A brevidade da comunicação à Imprensa foi justificada com a participação da ministra em reunião no Parlamento Europeu.

"Temos 22 mil pedidos relativamente a estes 15 dias, que foram apresentados no início do mês", avançou a ministra sobre o número de pedidos de acesso ao apoio que está vedado aos pais quando um dos membros do casal esteja em teletrabalho - que, recorde-se, é obrigatório sempre que seja possível, sem necessidade de acordo entre trabalhadores e empregadores.

O apoio, destinado a trabalhadores por conta de outrem, independentes e do serviço doméstico, funcionou nos mesmos moldes na primavera passada. Porém, em meados de abril de 2020, a Segurança Social contava 170 mil pedidos de pais, apresentados entre final de março e 9 de abril. O apoio assegura aos trabalhadores apenas dois terços do salário-base, sem complementos, com o encargo repartido entre Segurança Social e empregadores.

Baixa adesão

PUB

Os dados apresentados pela ministra para outros dos apoios extraordinários mostram também um ritmo de adesão baixo às medidas de manutenção do emprego.

Para os últimos 15 dias, de confinamento restrito e encerramento generalizado no comércio, há pouco mais de 50 mil empresas a pedirem para ser apoiadas quer pelo lay-off simplificado, quer pelo apoio à retoma.

"No total, entre pedidos ao abrigo do lay-off simplificado e ao abrigo do apoio à retoma, temos 54 400 pedidos de empresas para estas medidas de apoios à manutenção de emprego neste contexto de confinamento, abrangendo no total cerca de 281 mil trabalhadores", informou a ministra.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG