Guimarães

Só dez eleitos foram a todas as assembleias municipais

Só dez eleitos foram a todas as assembleias municipais

Dos 97 membros da Assembleia Municipal (AM) de Guimarães, apenas dez marcaram presença em todas as sessões, segundo as 30 atas no portal daquele organismo autárquico. Entre eles, há oito do PS: José João Torrinha (presidente da AM), Cristina Fernandes, Joaquim Pereira, Adelaide Silva, Armando Silva, Cristiano Ferreira, Carlos Sousa e Filipe Lopes. Entre os totalistas há ainda Margarida Teixeira, da Coligação Juntos por Guimarães (CJG), e Sónia Ribeiro, do BE.

Em sentido inverso, Aguiar-Branco é o mais ausente. O ex-ministro da Defesa foi o número um da lista da CJG, que juntou PSD, CDS-PP, MPT, PPM e PPV/DC em 2017. Em 30 presenças possíveis, Aguiar-Branco apenas compareceu uma vez, em 2017. Ou seja, há mais de três anos que não marca presença, soma uma falta e pediu a substituição em 28 ocasiões.

Refira-se que Aguiar-Branco é natural do Porto, mas os laços familiares são de Oleiros, Guimarães. O JN tentou, sem sucesso, contactá-lo. Emídio Guerreiro, presidente da bancada do PSD na AM, não avança uma razão para as ausências do cabeça de lista: "Não tenho por hábito procurar justificação. Faço um esforço para que as pessoas estejam e peço que quem não possa ir se faça substituir".

PUB

O segundo mais ausente é Cândido Capela Dias (CDU). Só apareceu sete vezes e, embora não tenha faltas, pediu a substituição em 23 reuniões. Ao JN, justificou-se com o facto de já não residir no concelho e, como tal, ter dificuldade em acompanhar sessões que se prolongam "até altas horas da madrugada". As substituições permitem "ir renovando para deixar entrar gente mais nova", afirma.

O terceiro menos presente é Miguel Laranjeiro (PS), ex-deputado da Assembleia da República. Apareceu 12 vezes e só tem duas faltas, mas foi substituído 16. Ao JN, não quis justificar as substituições, mas ressalvou que no último ano participou em todas as reuniões, o que se confirma pelas atas.

Se excluirmos as substituições e contabilizarmos apenas as faltas, é Angelino Salazar, presidente da Junta de Pevidém, que soma mais, com 16 faltas e 14 presenças. Ao JN, explica que prioriza o trabalho na vila onde é autarca: "Quando tenho uma representação na freguesia, ou quando tenho Assembleia de Freguesia, que coincide muitas vezes, a minha prioridade é a minha comunidade". Desde a pandemia, Angelino Salazar não faltou nenhuma vez "porque não há trabalho político nem representações" em Pevidém, assume.

Tipo de ausências -As ausências de uma AM dividem-se entre faltas e substituições. Nas faltas, o lugar do eleito fica vago, mas nas substituições é ocupado pelo membro seguinte da lista.

Cinco renúncias - No atual mandato, em Guimarães, houve cinco renúncias: Manuel Fernandes (PS), Paulo Freitas do Amaral (PS), Marta Coutada (PS), Luís Cirilo Carvalho (CJG) e Ângela Oliveira (CJG).

Senha de presença - Cada membro tem direito a uma senha de presença no valor de 2% da remuneração do presidente da Câmara. Em Guimarães, não chega a 70 euros por reunião.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG