IPMA

Só em 1931 houve um maio mais quente do que o deste ano

Só em 1931 houve um maio mais quente do que o deste ano

Desde 1931 que não se registava um mês de maio tão quente em Portugal continental, revelou esta sexta-feira o IPMA. Só em 2011 as temperaturas no mesmo período do ano foram tão altas. Esta monitorização está em linha de conta com os dados do centro europeu Copernicus, revelados esta sexta-feira, de que este foi o mês de maio mais quente alguma vez registado no planeta.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o valor médio da temperatura em Portugal continental foi de 19.00 °C em maio, o que corresponde a mais 3.26 °C do que o normal.

O IPMA descreve o mês de maio de 2020 como tendo sido "extremamente quente e seco" em Portugal continental, com registos "muito superiores aos valores normais na segunda quinzena de maio, em particular a partir do dia 17", devido a uma onda de calor.

Os valores médios da temperatura máxima e mínima também foram os mais elevados desde 1931: o primeiro, que se cifrou este ano nos 25.4 ºC, teve "uma anomalia de +4.44 °C"; o segundo ficou-se pelos 12.6 ºC, superando a média em 2.1 ºC.

Quanto à precipitação, o valor médio fixou-se nos 51.2 mm, o que "corresponde a 72% do valor normal". Apesar de, em regiões como o Alto e Baixo Alentejo, a península de Setúbal ou o Sotavento Algarvio, ter havido mais chuva, na região Norte e nas zonas de altitude os valores foram "muito inferiores ao normal".

Face a abril, deu-se uma "diminuição significativa" da percentagem de água no solo. A região Sul foi particularmente afetada, registando-se valores "inferiores a 20%" no Baixo Alentejo e Algarve.

Mês mais quente de que há memória no planeta

O centro Copernicus, organismo da União Europeia que monitoriza as temperaturas, revelou esta sexta-feira que este foi o mês de maio mais quente no planeta desde o início dos registos.

"Maio foi 0.63°C mais quente do que a média no mesmo mês dos anos 1981-2010, o que o torna o mês de maio mais quente desde o início da recolha de dados", à frente de maio de 2016 e maio de 2017", revelou o Copernicus em comunicado.

Globalmente, o serviço europeu destaca que os últimos doze meses (junho de 2019 a maio de 2020) igualam o período do ano mais quente já registado (outubro de 2015 a setembro de 2016), com 0.7 °C acima do normal.

De acordo com a mesma entidade, na região russa da Sibéria registaram-se temperaturas "muito anormais", de cerca de 10 ºC acima do que seria esperado neste período do ano. A quebra de gelo nos rios Ob e Yenisei, no oeste da região, nunca tinha começado tão cedo.

A primavera também foi particularmente amena em grande parte da região do Ártico - nomeadamente no oeste do Alasca - e na Antártida.