Nacional

Sócrates considera moção de censura "lamentável e condenável”

Sócrates considera moção de censura "lamentável e condenável”

O primeiro-ministro José Sócrates considerou hoje, terça-feira, "lamentável e condenável" a posição de "irresponsabilidade total do PCP" por ter decido apresentar uma moção de censura ao Governo.

"É lamentável e condenável a posição de irresponsabilidade total do PCP. Num momento destes propor deitar o Governo abaixo não me parece a melhor solução para resolver qualquer problema em Portugal", afirmou em conferência de imprensa em Madrid.

O secretário geral comunista, Jerónimo de Sousa, anunciou segunda-feira que o PCP vai apresentar uma moção de censura ao Governo na Assembleia da República, decisão tomada em reunião do Comité Central.

A moção de censura - a primeira enfrentada pelo governo minoritário de José Sócrates - será entregue hoje, terça-feira, no Parlamento, o que significa que terá de ser discutida ainda esta semana na Assembleia da República.

O primeiro-ministro afirmou-se "habituado" a posições como estas por parte do PCP, considerando que nos últimos 30 anos os comunistas "nunca trabalharam para construir, para o diálogo ou para o compromisso" mas sempre "para destruir".

"Esta acção política está na linha do que têm sido estes 30 anos do PCP. Sempre que o PS está no governo o PCP acha que sua missão histórica é que esse governo acabe. Fazer da acção politica um exercício tão sectário contra o governo não ajuda nada" sublinhou.

"O país precisa de partidos com posições construtivas e responsáveis que respondam ao interesse do país e não apenas à sua agenda política e táctica", disse.

PUB

Para José Sócrates a decisão do PCP é "reveladora de grande irresponsabilidade".

"Ninguém entende em Portugal que possa representar um contributo que seja para resolver qualquer problema do país. É sectária", afirmou.

Questionado pelos jornalistas sobre qual pensa que vai ser a posição do PSD, maior partido da oposição, Sócrates remeteu essa questão para os sociais-democratas.

"Não me compete a mim pronunciar. Compete ao PSD", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG