PSD

Sucessor de Rui Rio na bancada parlamentar eleito a 19 de março

Sucessor de Rui Rio na bancada parlamentar eleito a 19 de março

O presidente do PSD e do grupo parlamentar, Rui Rio, convocou esta quarta-feira a eleição da próxima direção do grupo parlamentar para 19 de março, devendo as listas ser entregues até às 18:00 da próxima terça-feira.

De acordo com a convocatória enviada esta quarta-feira à tarde aos deputados, as eleições decorrerão entre as 15 horas e as 18 horas do dia 19 de março.

Rui Rio foi eleito em 6 de novembro líder parlamentar do partido com 89,87% dos votos, cargo a que concorreu sem oposição.

Na altura, o líder do PSD afirmou tratar-se de uma "direção de transição até ao congresso", assegurando que não seria recandidato.

Rui Rio tem atualmente seis vice-presidentes na direção da bancada (menos um do que teve o seu antecessor, Fernando Negrão): como primeiro 'vice' o deputado Adão Silva (Bragança) - que tem sido apontado como provável sucessor - seguindo-se Carlos Peixoto (Guarda), Luís Leite Ramos (Vila Real), Clara Marques Mendes (Braga), Ricardo Baptista Leite (Lisboa) e Afonso Oliveira (Porto).

Questionado em novembro se o futuro líder parlamentar poderia sair desta direção, Rio apenas deixou uma certeza: "Eu não serei, depois quem vai ser logo veremos, pode ser desta direção ou não".

Na última reunião da bancada, há perto de um mês, o presidente e líder parlamentar Rui Rio justificou não ter convocado eleições de imediato para a direção do grupo - como tinha prometido fazer depois do Congresso - por querer terminar tarefas a que se propôs, entre as quais rever o regulamento interno do grupo parlamentar, mas também fazer o "saneamento financeiro" e a nível administrativo e de recursos humanos da bancada.

Na agenda da reunião da bancada de quinta-feira está a aprovação do regulamento interno da bancada que, de acordo com a proposta enviada aos deputados, reforça os poderes da direção nacional em matérias como a definição do sentido de voto em referendos, e admite a "exclusão" de deputados por excesso de faltas ou incumprimento de deveres éticos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG