Detenção

"Suspeitas graves". Partidos pedem rapidez e justiça na investigação a Vieira

"Suspeitas graves". Partidos pedem rapidez e justiça na investigação a Vieira

O líder do partido Chega, André Ventura, reagiu à detenção do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, sob suspeitas de burla, abuso de confiança e branqueamento de capitais. PS, PCP, PAN e CDS também já reagiram e pedem justiça na investigação.

"A justiça tem de ser rápida, eficaz e transparente. Não pode haver nomes, nem cargos, nem figuras, seja Luís Filipe Vieira, seja qualquer outro dirigente. Estão em causa crimes que lesaram o país", disse Ventura, conhecido adepto do clube das águias e apoiante do presidente do Benfica.

O presidente do Chega considerou que "as suspeitas são graves" e que é necessária "muita firmeza".

Para Ventura, "temos todas as condições para que justiça seja feita".

O PS disse que é "tempo de a justiça atuar" e "apurar responsabilidades" no caso que levou à detenção do presidente do Benfica. Em declarações à Lusa, o deputado socialista João Paulo Correia destacou o trabalho dos inquéritos parlamentares, indicando que "é o tempo de a justiça atuar, apurar a verdade e apurar as responsabilidades".

"O Partido socialista foi um dos partidos proponentes da comissão de inquérito à Caixa [Geral de Depósitos], foi também um dos partidos proponentes da comissão de inquérito ao BES e ao Novo Banco e, ao longo dos trabalhos destes inquéritos, os deputados conseguiram expor um conjunto de situações que só através de inquérito parlamentar foi possível averiguar e investigar", explanou.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou que "é preciso averiguar os factos" e decidir "em conformidade", a propósito da detenção do empresário e presidente do Benfica Luís Filipe Vieira.

PUB

Questionado à margem de um encontro com organizações representativas dos trabalhadores da Altice, na Casa do Alentejo, em Lisboa, o dirigente comunista disse que "é preciso averiguar os factos" e, na sequência do que "resultar desse processo" de investigação, "responsabilizar quem deve ser responsabilizado".

Jerónimo de Sousa disse desconhecer pormenores do processo que envolve Luís Filipe Vieira, razão pela qual preferiu não se alongar em comentários, mas considerou que é necessário "decidir em conformidade com a gravidade" dos crimes que alegadamente terão sido cometidos.

A deputada do CDS-PP Cecília Meireles, que tem integrado várias comissões parlamentares de inquérito ao sistema bancário, incluindo a atual sobre o Novo Banco que inquiriu Luís Filipe Vieira, disse não querer pronunciar-se sobre casos concretos, mas destacou o trabalho feito pelo parlamento.

"Parece-me saudável que o trabalho que é aqui feito, de rigor, de investigação, e de audição de algumas pessoas - mais ou menos poderosas, mais ou menos mediáticas - possa ser aproveitado pela justiça", afirmou, desejando que esta continue a aproveitá-lo e "retirar daí conclusões com rapidez".

A líder do PAN, Inês Sousa Real, também reagiu, dizendo que a detenção é "um sinal positivo para os portugueses de que não há cidadãos intocáveis para a justiça". "Apesar de ter tardado, também configura um momento importante para acautelar que as perdas relacionadas com o Novo Banco e a Caixa Geral de Depósitos e que alegadamente estão relacionadas com Luís Filipe Vieira são recuperadas", afirmou.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, foi detido esta quarta-feira, no âmbito de uma investigação sobre suspeitas de burla, abuso de confiança e branqueamento de capitais.

O dirigente benfiquista está detido na esquadra da PSP de Moscavide e será presente ao juiz Carlos Alexandre na quinta-feira, passando a próxima noite na prisão. Os empresários Tiago Vieira (filho de Luís Filipe Vieira) e José dos Santos (conhecido como o "Rei dos Frangos") também foram detidos, bem como o agente desportivo Bruno Macedo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG