Balanço

Touradas com mais gente mas ainda em crise

Touradas com mais gente mas ainda em crise

Os espetáculos tauromáquicos registaram um aumento do número de espetadores, em 2018, ano em que mais cinco concelhos receberam este tipo eventos.

Aumentou o número de espetadores das touradas em 2018, em comparação com o ano anterior. Os espetáculos taurinos conseguiram seduzir 379 mil pessoas, mesmo tendo havido menos eventos do que em 2017.

Porém, o setor, que tem estado debaixo de fogo de associações de defesa dos animais e do PAN, não recuperou da crise que atravessa há vários anos, tendo hoje metade dos espetadores que tinha em 2010.

Segundo o Relatório da Atividade Tauromáquica 2018, da Inspeção-Geral das Atividades Culturais, publicado no site do organismo, realizaram-se 173 espetáculos, com uma média de 2190 espetadores, "um aumento próximo dos 10% em relação a 2017 e aproximando-se do segundo valor mais alto da década (em 2011)".

Cinco concelhos estrearam-se a receber eventos taurinos, entre eles Alvaiázere. A Praça de Toiros do Campo Pequeno, em Lisboa, mantém-se a catedral da "afición": teve o maior número de espetadores, com um total de aproximadamente 77 mil, representando uma subida de 25% relativamente ao ano anterior.

O cavaleiro Luís Rouxinol foi o artista que mais corridas de touros realizou: 33.

PAN contesta dados da IGAC

A tauromaquia é a única atividade cultural cujas estimativas dos números de espetadores são apuradas pelo IGAC, desde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) deixou de fazer essa contabilização em 2010. O levantamento não é feito pelo número de bilhetes comprados e oferecidos - o método usado pelo INE - mas apenas com as informações disponibilizadas pelos diretores dos eventos.

Este método da IGAC levou, esta quinta-feira, o PAN a avançar com um projeto de lei que visa atribuir ao INE o tratamento da informação sobre o número de espetadores da tauromaquia. Para o partido, há "disparidades enormes" entre os dois métodos e lembra no seu projeto que o melhor exemplo dessa contradição ocorreu em 2005, quando o INE registou 120,8 mil bilhetes vendidos e o IGAC estimou 503 mil o número de espetadores nesse ano.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG