Manifestação

Trabalhadores e utentes dos transportes protestam junto ao Parlamento em fevereiro

Trabalhadores e utentes dos transportes protestam junto ao Parlamento em fevereiro

As organizações que representam os trabalhadores e os utentes dos transportes vão concentrar-se junto ao parlamento no próximo dia 5 de fevereiro para protestar contra a falta de "visão estratégica" para o setor, segundo a Fectrans.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans) José Manuel Oliveira adiantou que o protesto foi decidido esta quinta-feira, numa reunião com 12 organizações de trabalhadores e utentes dos transportes, para analisar o impacto do Orçamento do Estado 2020 (OE2020) neste setor.

"A conclusão que tirámos foi que neste orçamento não há nenhuma visão estratégica para o setor dos transportes", garantiu José Manuel Oliveira.

Segundo o coordenador da Fectrans, a descida dos preços dos transportes não foi acompanhada de medidas do lado da procura. "Está demonstrado que há uma incapacidade das empresas responderem àquilo que é o aumento da procura em função desta questão do modelo tarifário", salientou, alertando para a falta de trabalhadores e de investimento nas operadoras de transportes.

"Toda a gente conclui que a procura vai continuar a aumentar, mas a oferta está estagnada com o material circulante a degradar-se e sem projetos no setor público e privado, porque hoje ao nível das empresas rodoviárias da Área Metropolitana de Lisboa não há investimentos", assegurou o dirigente sindical.

A Fectrans irá agora apresentar um documento com as reivindicações do setor aos grupos parlamentares e aguardar os resultados do protesto de fevereiro, marcado para a véspera da votação final global do OE2020, em 6 de fevereiro.

Entre as principais reivindicações, os trabalhadores defendem que devem ser melhoradas as condições dos recursos humanos das empresas de transportes.

"Há áreas de atividade que não têm capacidade de recrutar novos trabalhadores, nomeadamente áreas técnicas que não atraem os trabalhadores devido aos baixos salários de entrada [na profissão]", referiu José Manuel Oliveira.

A proposta do OE2020 foi aprovada em 10 de janeiro na generalidade (votos a favor dos deputados do PS, abstenções de BE, PCP, Verdes, PAN, Livre e três deputados do PSD da Madeira, e contra de PSD, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal), estando agora a ser discutida na especialidade.

Outras Notícias