Saúde

Tratar um doente fica 50 vezes mais caro do que retirar amianto

Tratar um doente fica 50 vezes mais caro do que retirar amianto

Os cálculos são da associação ambientalista Quercus. E visam alertar para a importância da prevenção. Tratar um doente com mesotelioma, patologia oncológica diretamente relacionada com a exposição ao amianto, pode custar 50 vezes mais ao erário público do que remover uma cobertura em fibrocimento.

Carmen Lima, especialista em resíduos da Quercus, explica ao JN os valores apurados. O custo de remoção de amianto, feito por uma empresa certificada internacionalmente, fica por 10 euros o metro quadrado. "O valor inclui remoção, depósito em aterro e avaliação da qualidade do ar. Só não inclui a cobertura nova". O que, diz, "dá 5000 euros para uma cobertura média de uma escola".

Já o tratamento de um doente com mesotelioma no Serviço Nacional de Saúde, de acordo com dados apurados pela Organização Mundial de Saúde, custa, "em média, 262 939 euros". Valor este que, sublinha aquela especialista, não inclui "despesas familiares, por exemplo de deslocação para tratamentos, nem perda na qualidade de vida". Um custo muito elevado na medida em que se trata de um "cancro terminal, com um elevado nível de tratamentos paliativos".

Ler mais na edição impressa ou epaper

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG