Negócios

Três escolas portuguesas descem no ranking do Financial Times

Três escolas portuguesas descem no ranking do Financial Times

Portugal mantém quatro escolas de negócios entre as cem melhores da Europa, no ranking do jornal Financial Times. Mas entre o ano passado e este ano, só uma ganhou lugares. Já os salários dos antigos alunos disparam, em todas as escolas.

A ISCTE Business School, que no ano passado entrou no ranking na 80.ª posição, foi este ano colocada em 63.º lugar - foi a única a melhorar, neste European Business Schools Ranking, do Financial Times. Logo a seguir, está a Porto Business School. Ocupa o 62.º lugar, uma descida face ao 59.º do ano passado.

Mais acima está a Nova School of Business and Economics: este ano está em 30.º lugar, quando no ano passado ocupava a 25.ª posição. E apesar de descer do 26.º para o 28.º lugar, a melhor escola de negócios portuguesa é, agora, a Católica Lisbon School of Business and Economics.

A tabela feita pelo jornal Financial Times continua a ser liderada pela London Business School.

Formações específicas

A posição no ranking resulta da ponderação do lugar obtido em cada um dos tipos de formação ministradas. No caso da Católica Lisbon School of Business and Economics e a Nova School of Business and Economics, os MBA (Master of Business Administration) são partilhados e estão ambas no 22.º lugar.

Já a Porto Business School e a ISCTE Business School viram os seus Executive Master of Business Administration (EMBA) classificados pela primeira vez. Ficaram, respetivamente, na 58.ª e 57.ª posição.

O MBA e o EMBA são formações específicas em gestão. Os EMBA dirigem-se preferencialmente a pessoas com largos anos de experiência profissional.

Salários disparam

Frequentar qualquer uma destas escolas tem a mesma consequência: um salário muito mais alto, três anos depois de terminada a formação. Na Nova e na PBS, quem frequentou um Executive Master of Business Administration (EMBA, uma formação em negócios dirigida a pessoas com grande experiência profissional) teve um aumento salarial de cerca de 35%.

O maior ganho é reservado a quem completou um MBA (Master of Business Administration) na Nova ou na Católica de Lisboa. Três anos depois do fim do curso, estas pessoas ganhavam em média mais 75%.

O cálculo é feito em dólares norte-americanos, em paridade de poder de compra.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG