Presidência

UE deve desenvolver capacidades militares sob pena de trair valores, diz ministro

UE deve desenvolver capacidades militares sob pena de trair valores, diz ministro

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, defendeu esta sexta-feira que a União Europeia (UE) deve desenvolver "capacidades militares" que completem os instrumentos diplomáticos de que dispõe, sob pena de "trair os valores e interesses europeus".

"Acho que, para ser muito franco e muito direto, não termos esses instrumentos à nossa disposição nos traria um grande nível de vulnerabilidade. No final do dia, seria uma traição aos valores e interesses europeus", referiu Gomes Cravinho durante um seminário virtual do Instituto Egmont, intitulado "O futuro da defesa europeia e as prioridades da presidência portuguesa".

Frisando que lhe parece "óbvio" que a UE precisa de "capacidades militares para ajudar a responder a desastres naturais" e outras "emergências complexas" como a atual pandemia, o ministro salientou que estas capacidades deveriam complementar "a caixa de ferramentas europeia" em termos de ação externa, caso contrário os instrumentos de "comércio e de desenvolvimento" ficariam "muito enfraquecidos".

"A verdade é que, neste contexto multipolar no mundo em que vivemos, temos de ser capazes de projetar força militar mesmo que a força militar não venha a ser utilizada enquanto tal. Precisamos dela para gerar tração para os nossos outros instrumentos: os nossos instrumentos diplomáticos, políticos e comerciais. Precisamos de tornar o mundo seguro para a Europa e para os europeus", apontou.

Ao citar uma alegada frase do estadista europeu Paul-Henri Spaak - "só há dois tipos de poderes europeus: os poderes pequenos e os poderes pequenos que ainda não se aperceberam que o são" - Gomes Cravinho reiterou que a UE tem de "jogar no campeonato" de superpotências como a China, a Rússia, os Estados Unidos e a Índia.

"Esse tem de ser o nosso nível de ambição: nós somos multilateralistas mas não podemos ser multilateralistas ignorantes. Temos de perceber as dinâmicas do mundo que enfrentamos e isso requer que nos afastemos de visões simplistas e ultrapassadas, e que nos comprometamos plenamente com uma política comum de segurança e de defesa eficaz", referiu.

Nesse âmbito, Gomes Cravinho reiterou a necessidade de se assegurar a "segurança marítima" da UE, identificando o desenvolvimento dessa vertente como uma das prioridades da presidência portuguesa, e lembrando que a "UE é uma economia baseada nas exportações", o que faz com que a "segurança marítima seja vital", até para os "Estados-membros que não têm zonas costeiras".

PUB

"Cerca de 90% do comércio externo da UE, e cerca de 40% do comércio interno, é transportado por via marítima. Isso, só por si, é prova da relevância das nossas zonas costeiras", afirmou.

O ministro reforçou ainda que "o mundo, incluindo a Europa, está crescentemente dependente de cabos submarinos de comunicação para o tráfego digital" e que os oceanos se tornaram numa área de competição geopolítica.

"Vemos que o Atlântico ganhou uma nova centralidade geopolítica, em que a Rússia tem duas novas fontes de acesso, através do Ártico, e através do Mar Negro e do Mediterrâneo. Vemos que a China está a investir massivamente em meios navais, ao ponto em que irão brevemente ter uma força naval que rivalizará com a dos Estados Unidos", reconheceu.

À crescente presença de superpotências nos oceanos, Gomes Cravinho contrastou a postura europeia, referindo que "a realidade é que no desenvolvimento de uma identidade europeia de defesa falta quase inteiramente uma dimensão marítima".

"Por isso, temos de trabalhar nisso, passo a passo, e assegurarmo-nos que a nossa cultura estratégica também deve ser marítima", salientou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG