Covid-19

Vacinas de mRNA conferem "proteção substancial" aos idosos

Vacinas de mRNA conferem "proteção substancial" aos idosos

As vacinas que utilizam a tecnologia mRNA, caso da Pfizer e da Moderna, apresentam uma eficácia que varia entre os 81% e os 96% contra a morte por covid-19 nos idosos, estima um estudo nacional divulgado esta quarta-feira.

A investigação desenvolvida pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) apurou que, nas pessoas entre os 65 e os 79 anos, a efetividade da vacina contra internamentos foi de 94%, percentagem que baixa para os 82% nos idosos a partir dos 80 anos.

Já em relação aos óbitos associados à covid-19, os investigadores estimaram uma efetividade das vacinas que usam a plataforma RNA mensageiro de 96% para a faixa etária dos 65 aos 79 anos e de 81% para os maiores de 80 anos, adiantou o INSA em comunicado, que contou com a colaboração dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) e da Direção-Geral da Saúde (DGS) na realização do estudo.

Estes dados, segundo o instituto, revelam que as "vacinas conferem uma proteção substancial contra internamentos e óbitos relacionados com o vírus SARS-CoV-2 após o esquema vacinal completo".

O estudo permitiu ainda testar a redução da eficácia da vacina até três meses depois da toma da segunda dose no grupo de pessoas com 80 ou mais anos, não tendo os resultados "mostrado evidência de redução da efetividade destas vacinas contra internamentos e óbitos associados à covid-19 durante este período de tempo", avançou o INSA.

Realizado entre fevereiro e agosto, o estudo abrangeu cerca de 1,9 milhões de pessoas com 65 ou mais anos, através do cruzamento e análise dos dados registados em oito sistemas de informação do Serviço Nacional de Saúde.

PUB

Das quatro vacinas que estão a ser administradas em Portugal, as da Pfizer e da Moderna, de duas doses, utilizam esta nova tecnologia assente numa molécula denominada RNA mensageiro. Um outro estudo do INSA, divulgado a 24 de agosto, sugeriu que estas vacinas são menos eficazes a prevenir a infeção pela variante delta do coronavírus SARS-CoV-2.

Este trabalho conclui que há "probabilidade significativamente superior de infeção pela variante delta em pessoas vacinadas", sensivelmente "o dobro do risco de infeção pela variante alpha".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG