O Jogo ao Vivo

Racismo

Marcelo preocupado com "a radicalização da sociedade portuguesa"

Marcelo preocupado com "a radicalização da sociedade portuguesa"

"Que há racismo em Portugal, há", alertou Marcelo rebelo de Sousa, esta segunda-feira, ao falar aos jornalistas após uma aula na "nova tele-escola", que passou em direto na RTP Memória, às 13.30 horas.

"Não sei se a sociedade portuguesa é, como um todo, racista. Agora que há setores racistas e xenófobos em Portugal, há", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

"O que mais me preocupa, é a radicalização da sociedade portuguesa. Estamos a viver uma pandemia e, no momento em que temos uma crise económica e social, vamos juntar a isso a radicalização, gratuita, da sociedade portuguesa, que se alimenta reciprocamente, que não é tratar seriamente os problemas ou definir políticas contra as desigualdades", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

"O radicalismo puxa radicalismo", alertou o presidente da República. "O povo português ganha alguma coisa com essa radicalização gratuita e não inteligente? Acho que não", argumentou.

"Não penso que vandalizar ou destruir estátuas seja uma forma inteligente de combater", disse Marcelo Rebelo de Sousa. "Traduz-se em quê, na mudança de vida daqueles negros ou asiáticos que não têm as mesmas condições de outros que não pertencem a esta maioria. Ou de todos outros que pertencem à maioria étnica em Portugal e cujas crianças não conseguem chegar ao que têm os das classe média e média alta", sublinhou o presidente da República.

Marcelo defendeu uma contextualização da História. "Sou chefe de um Estado que tem uma história feita de vitórias e derrotas, de coisa boas à luz da época e más agora, de coisas más na altura e boas agora, por exemplo. Assumimos a História toda, o que foi bom e o que foi mau", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

PUB

"Julgar a história à luz de hoje é um erro", argumentou Rebelo de Sousa, sublinhando que ligado a essa história está um património. "Personalidades que marcam a nossa História, têm de ser respeitadas e consideradas à luz da época em que viveram", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

"Não há razão nenhuma hoje, mesmo a do combate ao racismo, ou outro tipo de combates, que justifique destruir a História e os testemunhos de personalidades da nossa História", argumentou Marcelo Rebelo de Sousa. "Senão, começamos no Dom Afonso Henriques, pela perseguição aos muçulmanos, seguimos pela primeira dinastia e vai tudo, até a torre de Belém, ou recuando até aos tempos do romanos e gregos", acrescentou o presidente da República.

"Destruir a História é um exercício teoricamente muito fácil, mas é um exercício que não vai mudar a vida daqueles que são discriminados, que vivem isolados", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa. "A maneira de lutar verdadeiramente contra o racismo e xenofobia é criar condições, hoje e para o futuro, que reduzam as desigualdades, não é destruir História, é fazer história diferente", sublinhou.

A vandalização da estátua do Padre António Vieira demonstrou "não só ignorância como imbecilidade", disse Marcelo Rebelo de Sousa. Admitindo que a ignorância pode ser bem intencionada, decorrer apenas de desconhecimento, considerou que, neste caso, "é imbecil, porque o padre António Vieira é uma das grandes personalidades deste país", disse.

"Lutou pela independência, foi um grande diplomata, um homem progressista para aquela altura, perseguido pelos colonos portugueses no Brasil e pela corte", disse Marcelo Rebelo de Sousa, considerando o padre António Vieira como "um dos maiores e escritores e oradores portugueses."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG