INSA

Variante ómicron já representa 75% dos casos de covid-19 em Portugal

Variante ómicron já representa 75% dos casos de covid-19 em Portugal

A variante ómicron do coronavirus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, atingiu uma proporção estimada de 75% na segunda-feira, segundo um relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

O relatório sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 em Portugal indica que houve um "crescimento exponencial" de casos prováveis da variante ómicron, ao mesmo tempo que houve uma redução de circulação da variante delta.

Os dados indicam que a variante ómicron é dominante em Portugal (mais de 50% dos casos) e que, segundo o INSA, este "aumento abrupto de circulação comunitária tem paralelismo com o cenário observado em outros países como, por exemplo, a Dinamarca e o Reino Unido".

O relatório, realizado pelo Núcleo de Bioinformática do Departamento de Doenças Infecciosas do INSA, refere que até esta terça-feira foram analisadas 24 198 sequências do genoma do novo coronavírus, obtidas a partir de amostras colhidas em mais de 100 laboratórios, hospitais e instituições, representando 303 concelhos de Portugal.

Têm sido analisadas uma média de 533 sequências por semana desde o início de junho de 2021, provenientes de amostras colhidas aleatoriamente em laboratórios distribuídos pelos 18 distritos de Portugal continental e pelas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, abrangendo uma média de 129 concelhos por semana.

Na semana 50, de 13 a 19 de dezembro, a variante de preocupação ómicron registava uma frequência relativa provisória de 10,1% (dados apurados até 14 de dezembro).

PUB

"De acordo com as estimativas obtidas com base na estratégia de monitorização em tempo-real da 'falha' na deteção do gene S, desde o dia 6 de dezembro tem-se verificado um crescimento exponencial na proporção de casos prováveis da variante ómicron, tendo atingido uma proporção estimada de 75% no dia 27 de dezembro", diz o INSA no relatório.

Quanto à variante delta, o relatório indica que desde a semana 47 (22 a 28 de novembro) tem vindo a diminuir a sua frequência relativa, "em resultado do aumento abrupto de circulação da variante ómicron , destacando-se ainda as linhagens AY.4.2 e AY.43.5, com frequências relativas próximas de 5% nas últimas semanas, sendo, contudo, expectável que a sua circulação diminua significativamente nas próximas semanas", diz o INSA.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG