O Jogo ao Vivo

Política

Ventura ataca Ferro: "Só me apetece ir lá... Isto está a gravar, não está?"

Ventura ataca Ferro: "Só me apetece ir lá... Isto está a gravar, não está?"

O líder do Chega, André Ventura, descreveu o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, como tendo "uma voz sofrível". Na sessão de apresentação de candidatos a autarquias do distrito do Porto, atirou: "Apetece-me ir lá...". Contudo, perante advertências de militantes, interrompeu-se e concluiu: "Apetece-me saudar a democracia".

Ventura discursava há cerca de meia hora quando afirmou sentir-se atacado pelos outros partidos "em cada ponto" que é discutido no Parlamento. Lamentando ter de responder a todos "à velocidade da luz", devido ao pouco tempo de que dispõe para falar, insurgiu-se contra as intervenções de Ferro - que visam alertar os deputados quando estes esgotam o tempo disponível.

Num registo descontraído, o líder do Chega confidenciou: "No fim, oiço aquela voz sofrível, sofrível, sofrível, a dizer: 'senhor deputado, tem de terminar, já lhe disse que tem de terminar'. E apetece-me ir lá... Isto está a gravar agora, não está?", concluiu.

De seguida, Ventura calou-se e, perante alguns apoiantes que atiraram: "Não diga!", cerrou os punhos e completou, a rir: "Neste momento, só me apetece saudar a democracia portuguesa".

O episódio ocorreu um dia depois de Ferro ter acusado Ventura de ter mentido acerca de uma discussão que ambos tiveram a propósito da proposta do Chega sobre castração química.

PSD "não dá confiança" e CDS está perto de ser "nota de rodapé"

O líder da extrema-direita também criticou o PSD, considerando que o partido de Rui Rio é "ziguezagueante" e "não dá confiança às pessoas". "Disseram que nunca poderiam ter a castração química nas suas fileiras e metem, na Amadora, uma candidata que defende, precisamente, a castração química", realçou.

PUB

Acusando os sociais-democratas de dizerem "um dia uma coisa e no outro dia outra", Ventura lembrou que o PSD garantiu que "nunca" faria acordos com o Chega, para depois recuar "à primeira oportunidade, nos Açores".

O deputado único disse acreditar que o seu partido irá eleger "centenas de autarcas no país inteiro", entre as várias divisões administrativas. Considerando que "as autárquicas são o primeiro passo para o Governo de Portugal", referiu que o seu objetivo é "ir atrás do PSD e lutar cara a cara com António Costa" nas próximas legislativas.

Sobre o CDS, e comentando uma sondagem recente, afirmou que "qualquer dia já nem os põem" nesses estudos, ou então "só em nota de rodapé".

Candidato ao Porto "dentro de 15 dias"

Ventura não escondeu a confiança que sente para as eleições autárquicas, a realizar entre setembro e outubro: "Estamos convencidos de que nas regiões mais populosas do país - Lisboa, Porto, Braga, Setúbal -, vamos conseguir ter um grande resultado", afirmou.

Este sábado, o Chega anunciou André Pedro Almeida como candidato autárquico à Maia, Israel Pontes a Matosinhos, Cátia Rafaela dos Santos a Paços de Ferreira, Carla Silvestre a Penafiel, Joana Guimarães a Santo Tirso, Rui Pedro Costa à Trofa, Carmo Lopes a Valongo e António Luís Vilela a Vila do Conde.

No caso do Porto, o nome será avançado "dentro de 15 dias", anunciou Ventura.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG